Publicidade
Esportes
Superação

Ele não podia jogar bola na rua e agora se prepara para final do Peladão

Com história de superação, goleiro Gabriel não podia sequer andar descalço por problema nos pés, deu a volta por cima e tenta terceiro título em um ano. 28/01/2017 às 05:00
Show img0017419412
Com a ajuda da família, Gabriel superou os problemas da infância e começa a fazer sucesso no futebol. (Foto: Antônio Lima)
Valter Cardoso Manaus-AM

Ter os pés no chão. Este costuma ser o pedido de treinadores para os jogadores menos experientes, com o significado de sensatez e  lucidez.
No entanto, ter os pés no chão, tem um significado diferente para Gabriel Costa, goleiro do Idesca/ Palas Atena 2002, que disputa a final do Peladinho neste sábado (27).
Para o jogador, a frase significa liberdade.“Desde 5 ou 6 anos eu tenho um problema no pé. Eu estava brincando no quintal dos meus avós e não vi um vidro, que cortou meu pé. Desde lá eu fiquei com uma micose e sempre meus pais me levaram ao médico  e os médicos diziam que isso não tinha cura, que eu ia levar isso para a vida toda e que não ia mais poder jogar futebol”, revelou o Gabriel. 

Enquanto passou boa parte da infância vendo os amigos correndo nos campos de futebol, Gabriel corria atrás de médicos, na tentativa de curar o problema. “A persistência deu resultado. Eu lutei muito, passei muitos remédios, chorei mesmo porque queria brincar e eu consegui. No ano passado, o França, amigo do meu pai, ele me indicou ao treinador do Palas  que me indicou para fazer um teste e eu passei, desde lá eu sigo com o time, já é meu segundo ano, e ano passado foi um ano muito bom para mim que eu conquistei o Campeonato Amazonense de Futsal Sub-15 e conquistei também o infantil de futebol de campo”, explicou o goleiro.

E cada passo dado pelo jogador foi acompanhado cuidadosamente pelos pais. “É difícil, é triste a gente ver um filho querendo se divertir, querendo jogar, querendo fazer o que gosta, querendo fazer o que ama e não poder. Era muito doloroso, eu e a minha esposa  a gente ficava muito triste porque a gente via o que ele queria, via o que ele gostava de fazer e ele não podia” desabafou Elciclei Santos, pai do goleiro.  

Neste sábado, Gabriel tem a chance de coroar a recuperação conquistando o título do torneio infantil do maior campeonato de peladas do mundo. “Seria o auge, seria uma vitória do impossível.  O impossível não existe, é só uma questão de opinião e mais uma vez foi provado,  e vamos tentar superar mais isso aí, mais essa final e tentar conquistar o título”, garantiu Elcilei.

Com 24 gols marcados e apenas quatro sofridos, ainda invicto na competição Gabriel e o time do Palas 2002 chegam confiantes na busca do título mas, claro, com os pés no chão.