Publicidade
Esportes
Máquina do tempo

Em encontro com equipe do revezamento, Sandro Viana revive 2008 e projeta o futuro

Sandro Viana “volta” aos Jogos de 2008, em encontro com o time do revezamento 4x100 e projeta uma verdadeira maratona para cumprir compromissos, agora, como medalhista olímpico  03/04/2017 às 00:09
Show encontro com time de revezamento 30 de mar o de 2017
Time se encontrou na última semana no Rio de Janeiro (Foto: Divulgação)
Leanderson Lima Manaus, AM

Na manhã da última quinta-feira, 30, a Escola de Educação Física do Exército, no Rio de Janeiro foi palco de um encontro marcante na vida de cinco homens que agora têm um lugar cativo na história do esporte brasileiro. Bruno Lins, Vicente Lenilson, José Carlos Moreira, o Codó, e o velocista amazonense Sandro Viana - que fizeram parte da equipe brasileira do revezamento 4x100, que disputou a final Olímpica nos Jogos de Pequim, em 2008 -, se encontraram pela primeira vez depois de dois anos. Herdeiros da medalha de bronze – depois que o jamaicano Nesta Carter foi flagrado no reteste feito no ano passado – o time finalmente pode se encontrar e passar a limpo uma das maiores reviravoltas da história do esporte nacional.

Para Sandro Viana, o encontro foi uma oportunidade de voltar no tempo, mais precisamente para a sexta-feira 22 de agosto de 2008, data da final do revezamento 4x100 no estádio Ninho de Pássaro, quando ele e o time chegaram bem perto do pódio olímpico, ficando na quarta colocação.

“Ficou um negócio mal resolvido. A gente saiu do estádio com uma sensação de derrota. Onde erramos? Estávamos com tanta convicção... Naquele dia olhávamos um para o outro com aquela sensação de vazio”, descreve Sandro Viana, 40.

Para o amazonense, quase dez anos depois da final na China, o sentimento agora é bem diferente. “No reencontro rolou aquele olhar tipo de confirmação entre a gente. De uma certeza que tínhamos. Numa aposta que fizemos de vida, então rolou aquele olhar de poxa, você é o cara, eu sou o cara, nós somos os caras. A gente olhava um para o outro e falava: - Tá vendo, a gente tava no caminho certo”, revela.

Iguais?
Para Viana, apesar dos anos o time de revezamento brasileiro dos Jogos Olímpicos de 2008 continua competitivo como nunca. “A gente continua pensando da mesma forma. Ainda somos muito competitivos. Competimos contra os nossos pensamentos, contra os nossos medos, contra as nossas fraquezas. Conseguimos conversar muito e estamos melhores do que antes, porque estamos mais maduros. Deu pra ver nos olhos uns dos outros que o que aconteceu deixou a gente mais forte”, atesta o amazonense.

Maratona

A vida de Sandro Viana, Bruno Lins, Vicente Lenilson e José Carlos Moreira sempre foi marcada pela correria. Mas agora, enquanto aguardam a entrega do bronze conquistado na China, o time brasileiro vai enfrentar uma verdadeira maratona de compromissos, agora, como medalhistas. “Agora é hora de revisar a nossa real posição no cenário esportivo mundial, o que a gente perdeu de legado, a questão institucional... A gente jogou limpo, foi honesto, vencemos dentro da regra do jogo. Eu não sei como dar conta de tudo agora. Vou começar a viver em aeroporto, fora de casa como mochileiro para dar conta de tantos compromissos. A vida agora está me exigindo ser atleta além das pistas e vou viver este desafio”, finaliza.

 

Grande forma

Mostrando que ainda está em grande forma, Sandro Viana conquistou a medalha de prata nos 400m no Grande Prix Sul-Americano 'Alejandra Garcia', disputa na Argentina no último final de semana. Na ocasião o velocista amazonense obteve a marca de 47s32 - igualando sua melhor marca no ano.