Publicidade
Esportes
Craque

Em exclusiva, Andrade comenta clássico e diz que atacantes podem fazer diferença

Ex-jogador e técnico conversou com a equipe de A Crítica e falou de vários assuntos, do jogo de hoje até a polêmica demissão do cargo de treinador do Flamengo após ser campeão brasileiro pelo clube 18/04/2015 às 19:14
Show 1
Andrade apostou as fichas no Flamengo na semifinal do Carioca
Felipe de Paula Manaus (AM)

Andrade é a cara do Flamengo. Revelado pelo clube da Gávea em 1977, jogou no clube até 1988, antes de passar uma temporada na Colômbia e depois se transferir para a Roma, na Itália. Mas foi no Rubro-negro carioca que o jogador, campeão mundial em 1981 e quatro vezes campeã brasileiro como jogador pelo Fla, mais se destacou na carreira.

Na volta da Europa, foi campeão pelo Vasco da Gama, mas sua identificação com o Flamengo é indissociável. Em 2009, foi campeão brasileiro como treinador pelo Mengo, de onde foi dispensado após uma demissão escusa, numa mácula cujas feridas, garante o ídolo, já estariam cicatrizadas.

“É aquela coisa, até porque é preciso diferenciar a entidade Flamengo das pessoas que ali passam e que daqui a pouco ninguém lembra mais”, disse ele, que conversou com exclusividade com  a equipe do CRAQUE e mostra, nas entrelinhas, que não perdoou totalmente a postura da diretoria flamenguista na ocasião.

Sempre atencioso e gentil, o ex-volante respondeu sem pressa as perguntas feitas pela reportagem, que abordaram desde o jogo de hoje entre Flamengo e Vasco, passando pela análise dos times, os possíveis destaques de ambas as equipes, a necessidade de atacar mais do Flamengo, apontada por ele, além de imergir também no universo do “Clássico dos Milhões” em si, onde comentou qual o confronto entre os dois times mais lhe marcou e a própria importância do Fla X Vas para a história do futebol brasileiro, que começou a se acentuar justamente na década de 80.

Andrade, você é um grande personagem flamenguista e já jogou muitos clássicos entre Flamengo e Vasco. Como você vê os dois times e qual sua expectativa pessoal para o Fla x Vas deste domingo?

Eu acho que o Flamengo leva ligeira vantagem, já que vem mantendo a base do time desde o ano passado. O Vasco está muito reformulado de um ano pro outro, mas acredito que é uma pequena vantagem, até porque o Vasco vem em bom momento, até pela primeira partida, já percebeu que Flamengo não é esse bicho todo, mas clássico sempre será muito disputado e equilibrado.

Quem pode fazer a diferença?

Podem fazer a diferença os dois atacantes, tanto Gilberto, pelo lado do Vasco, quanto o Alecsandro, pelo Flamengo. Dois jogadores de área, dois goleadores, que podem resolver a partida num lance.Se você fosse o Wanderley, mudaria algo no time?

Eu acho que o Flamengo tem que mudar só a postura. Ficou esperando muito o Vasco no  jogo passado. O Flamengo não é time que espera. O torcedor está acostumado a sempre agredir. Esse é o Flamengo que a torcida gosta.Qual a importância que tem um Flamengo e Vasco para o futebol brasileiro?Desde a nossa época, nos anos oitenta, o Clássico das Multidões, que lotava o Maracanã, já era o clássico mais importante, onde se criou uma rivalidade muito grande. Mas acho que essa rivalidade é importante, tem que levar pro lado sadio, não de ser uma coisa da violência, uma rivalidade que não sai fora das quatro linhas.

Qual o Flamengo e Vasco mais marcante pra você?

Teve um muito marcante, no Carioca de 81, em que tínhamos vantagem e perdemos os dois primeiros (jogos). Vencemos por 2 a 1 e fomos campeões cariocas. Houve muitas finais marcantes, mas esta foi inesquecível.

Campeão por Flamengo quatro vezes, uma mais como técnico, mas também foi campeão pelo Vasco, não é?

Sim, eu fui campeão brasileiro pelo Vasco. Sou recordista de títulos brasileiros. Mas eles (jornalistas de esporte) insistem em colocar como duas pessoas (Andrade jogador e Andrade técnico). Tenho seis títulos brasileiros. Andrade jogador e Andrade treinador são a mesma pessoa! Sou o maior ganhador de títulos dentro do Flamengo, me considero também o maior do Brasil.

E o Vasco, por ter jogado lá, tem lugar no seu coração?

Não tenha dúvida, minha passagem pelo Vasco, deixei grandes amizades, com as quais me relaciona bem até hoje. Quando me encontro com dirigente, funcionário, sou sempre bem recebido e isso é muito importante para um profissional, e isso acontece não só dentro do Flamengo mas dentro do Vasco também.

Entrevistei o Cocada (reserva do Flamengo em 1983) e ele falou que era um privilégio treinar com vocês e assistir o time jogar nos finais de semana...

(Risos) É, tinham jogadores que eram reservas e preferiam, ser reservas do Flamengo a serem titulares em outro clube.

O senhor foi titular do maior time da história do Flamengo. É um lugar onde o senhor imaginou estar?

Não só para mim, mas pra todos funcionários da Gávea que estiveram ali, foi orgulho e satisfação para os brasileiros, para os cariocas. Para mim, motivo de orgulho como profissional!Ainda tem ressentimento pelo modo como se deu sua saída como técnico do Flamengo, despedido após conquistar o Campeonato Brasileiro de 2009?Isso já faz parte do passado, temos que pensar pra frente. É aquela coisa, até porque é preciso diferenciar a entidade Flamengo das pessoas que ali passam e que daqui a pouco ninguém lembra mais. Mas aquele caso já é superado. Digo o que sempre falei: que foi uma questão política. Houve mudança de presidente, queria um perfil diferente para o treinador, e eu não me encaixava.

Gostaria de mandar um abração a todos da grande massa do Flamengo em Manaus?

Na minha época, fazia jogos com o Vasco, sabia que já havia uma legião enorme (de torcedores amazonenses). Vamos torcer que o Fla passe pelo Vasco, será um jogo duro, difícil, mas o Flamengo gosta desses jogos. O Flamengo gosta de decisão!