Publicidade
Esportes
Craque

Em tom de despedida, Andrés fala sobre a demissão de Mano e diz que Felipão está 'apalavrado'

“Não pedi demissão e nem fui demitido. A tendência é essa (de sair), mas eu ainda vou ter uma reunião com o presidente Marin e não vou falar para vocês o que eu pretendo falar pra ele”, disse 26/11/2012 às 18:03
Show 1
Andrés Sanchez - diretor da CBF
acritica.com Manaus

Em tom de despedida,  Andrés Sanchez, diretor da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), falou nesta segunda-feira, sobre a demissão do técnico Mano Menezes, na última sexta-feira,  afirmou que Felipão está “apalavrado” e que pensa em deixar o cargo da CBF.

“Não pedi demissão e nem fui demitido. A tendência é essa (de sair), mas eu ainda vou ter uma reunião com o presidente Marin e não vou falar para vocês o que eu pretendo falar pra ele”, disse Andrés.

O então diretor da Confederação também deixou uma dúvida do ar quanto ao seu futuro.

 “Eu sou conselheiro do Corinthians. Agora é um momento de reciclagem. Não sei o que eu vou fazer em 2013”, resumiu.

Sanchez foi contratado por Ricardo Teixeira e a relação entre ele o José Maria Marin, atual presidente da CBF, não é das melhores, mas na semana passada, com a demissão de Mano ficou ainda mais complicada. O cartola revelou que o treinador passou perto de cair há alguns meses e criticou o momento escolhido pela CBF para a mudança.

“No começo ficou decidido que ele (Mano) iria para a frente, até a Copa das Confederações e quem sabe mais adiante. A (demissão) está em um momento muito errado. Não é uma crise, mas gera uma insegurança. Estamos a três, quatro dias do sorteio da Copa das Confederações e não temos treinador”, disse Andrés.

Sobre Luiz Felipe Scolari, que vem sendo apontado como o mais cotado para assumir o cargo de Mano, ele disse que Felipão está “apalavrado” para ser o novo treinador da seleção.

 “Pelo que eu tenho visto e lido, parece que o Felipão está apalavrado. Eu li por aí, com jornalistas sérios, que eu confio, que ele está apalavrado”, disse Andrés, que ainda deu a entender que Mano Menezes foi demitido por questões políticas.