Publicidade
Esportes
ENQUANTO A PISCINA OLÍMPICA NÃO VEM

Conheça o presente e as perspectivas para o futuro da natação amazonense

A piscina da Vila Olímpica de Manaus está fechada desde 2015 para uma reconstrução do parque aquático 22/03/2017 às 05:00 - Atualizado em 22/03/2017 às 15:29
Show spo.ms.r.01
Fabrício Lima, secretário da Sejel, afirmou que a secretaria aguarda a aprovação da Caixa, com relação aos projetos que foram feitos, para iniciar a obra da piscina. (Foto: Márcio Silva/A crítica)
Jéssica Santos Manaus (AM)

No ano em que se aguarda a chegada de uma piscina vinda das Olimpíadas do Rio para Manaus, vamos revelar como está a natação amazonense, e considerar quais as perspectivas para o futuro da modalidade.

Há quase dois anos, a piscina da Vila Olímpica (Zona Centro-Oeste) foi desativada para uma grande reforma, que acabou ficando parada em 2016. Antes disso, a piscina era utilizada pela própria Vila, com escolinhas de natação para crianças e adultos, também pela Federação Amazonense de Desportos Aquáticos – a FADA, e pelos clubes filiados a ela. Com a paralisação, os nadadores federados tiveram que buscar outros lugares para nadar. Mas muitos não conseguiram, segundo o presidente da FADA, Vítor Façanha.

Sem a piscina da Vila, a natação amazonense conta com a parceria do Clube do Trabalhador – SESI para realizar as competições. Para 2017, a situação não mudará, pelo menos até a nova piscina ser montada. A previsão é para o mês de agosto. “Até lá, a expectativa para a nossa natação é a mesma de sempre. Nosso calendário funcionando, e o SESI fazendo a parceria conosco”, afirmou Vítor Façanha.

Presente e futuro da natação

A piscina da Vila Olímpica foi fechada em meados de 2015, e nadadores precisaram encontrar outros lugares para treinar. (Foto: Márcio Silva/A crítica)

Apesar da dificuldade que a natação amazonense passa por não ter uma piscina olímpica disponível na Vila, Vítor Façanha lembra que a natação amazonense se desenvolveu nos últimos anos. “A natação cresceu muitos de 2010 para cá. Tínhamos 100 nadadores, e hoje temos cerca de 250 atletas. Manter o trabalho e levar atletas a pódios em campeonatos nacionais motiva o aparecimento de novos nadadores”, disse.

Mas para o futuro, Vítor alerta sobre as consequências da obra na piscina: “nós tínhamos uma base grande de nadadores, mas ela se desfez com o fechamento da piscina da Vila por todo esse tempo. Já começamos a sentir a ausência de renovação na natação e, infelizmente, daqui a dois ou três anos vamos ver a lacuna que ficou”, Vítor.

Mas ele diz em seguida que, na verdade, este ano a natação já começa a sentir a falta de renovação. “O La Salle tinha 100 atletas, mas hoje tem só 50; e a equipe da Água Viva deixou de existir por falta de piscina, o que é uma perda imensa para a nossa natação, pois a equipe revelava vários talentos”, lamenta o presidente da FADA.

Equipe da Água Viva comandada por José Júnior revelava muitos nadadores para a natação. (Foto: divulgação)

José Júnior era o técnico à frente da Água Viva, e desabafa sobre a pausa para reforma da Vila. “A Vila sempre revelou bons atletas nos esportes aquáticos. Ao fechar para reforma, a natação sofreu um forte golpe na formação de novos alunos e, com a parada, também faltou local para atender à necessidade de vários. Para a Água Viva, ficou difícil permanecer, pois fazíamos malabarismos para continuarmos vivos em 2016, e esse ano, não deu mais”, afirmou, Júnior. Apesar disso, ele está confiante. “Com o retorno das atividades da Vila, teremos novamente a oportunidade de revelarmos novos talentos”, disse ele.

Destino dos nadadores

Richard desanimou quando a piscina da Vila foi fechada, mas depois de  sete meses retornou aos treinos. (Foto: divulgação)

Richard Lucas, 20, é um dos grandes nomes da natação amazonense. Ele conta que ficou desmotivado após o fechamento da piscina da Vila, mas que depois voltou à natação. “Quando a vila entrou em reforma, eu era do Olímpico clube, não fui tão prejudicado na questão da piscina, mas me desmotivou pelo fator logístico, ambiente e estrutura também, porque o Sesi (onde estão sendo as competições) é clube para sócios e a Vila era dos atletas. Então, eu parei de nadar e de competir por sete meses, mas voltei no ano passado”, relembra Richard.

Em 2016, Richard foi para a Aquática Amazonas, e hoje está esperançoso para o futuro. “A piscina nova vai ser um incentivo enorme, acho que aqueles que pararam, vão voltar e dizer "nadei numa piscina olímpica". Sou um exemplo disso, acredito que possa ser muito proveitoso, mas com o projeto certo para convocar novos e ex-atletas, com mais intercâmbio, técnicos e atletas de outros Estados fazendo feedback. Isso pode ser importante para o nosso futuro”, acredita Richard.     

Vanderlandes Cruz pratica triathlon há cinco anos, e se destaca como um dos principais atletas do Estado. Ele conta que, assim como muitos triatletas, nadava na Vila Olímpica, mas com o fechamento da piscina, teve que parar de nadar. “Estou há um ano sem nadar, pois não tenho condições de pagar um clube. Hoje em dia o triathlon para mim é só diversão. Natação, só na vontade física mesmo”, diz Vander.

O triatleta Vanderlandes parou de nadar após fechamento da piscina da Vila, por não ter condições de pagar um clube. (Foto: Divulgação)

A piscina Olímpica

Apesar dos obstáculos, a natação amazonense ganhará um novo fôlego este ano, com a chegada de uma das piscinas utilizadas nas Olimpíadas do Rio. Além disso, o Amazonas ainda vai herdar dez blocos de largada e uma caldeira de aquecimento.  “Com a chegada da piscina, esperamos que tudo seja melhor”, disse Vítor Façanha.

Fabrício Lima (secretário da Sejel) afirmou que, com a chegada da piscina, haverá parceria com a FADA e com a Fetriam – Federação amazonense de triathlon. “Teremos parceria com essas federações que usarão a piscina, mas a gestão será da Sejel”, explicou Fabrício.

O secretário também falou sobre as obras na Vila. “As obras para a piscina estão adiantadas. Estamos aguardando agora a aprovação da Caixa, com relação aos projetos que foram feitos, para iniciar a obra propriamente dita”, explicou. O prazo final para a entrega da piscina é 17 de agosto. “Estamos no prazo, e a piscina pode ser entregue até antes desse dia”, afirmou Fabrício.