Publicidade
Esportes
Craque

Governador do Amazonas diz que Arena da Amazônia será entregue no final de 2013

Secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, disse em entrevista coletiva em São Paulo que Manaus corre o risco de ficar fora da Copa do Mundo de 2014 se não acelerar a construção da Arena da Amazônia 30/11/2012 às 19:06
Show 1
Presidente Dilma reune-se com parlamentares do Amazonas
Acritica.com Manaus (AM)

O governador do Amazonas, Omar Aziz, disse na tarde desta sexta-feira (30) ao acritica.com, que não vai comentar as declarações do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, sobre um possível atraso nas obras da Arena da Amazônia. Segundo o governador, a Arena tem mais de 50% das obras concluídas e será entregue dentro do prazo, que é final do ano de 2013.

"Só posso dizer que a Arena vai ser entregue no prazo. Não vamos discutir isso porque temos compromisso com o Estado num todo e não só a Arena. Sobre a mobilidade urbana – o monotrilho – não é uma obra para a Copa e sim para o futuro de Manaus", afirmou o governador Omar.

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, disse em entrevista coletiva em São Paulo (SP) que Manaus corre o risco de ficar fora da Copa do Mundo de 2014 se não acelerar a construção da Arena da Amazônia. Valcke está em São Paulo para o sorteio da Copa das Confederações.

"A única cidade onde eles têm que realmente acelerar, trabalhando com empreiteiras e acordos diferentes para estar pronto a tempo, em dezembro de 2013, é Manaus", afirmou Valcke.

De acordo com dados oficiais da Fifa, o estádio apresenta menos de 50% das obras concluídas. A entidade exige que os 12 estádios estejam prontos pelo menos seis meses antes do início da competição.

Nova arena substituirá o estádio Vivaldo Lima (Vivaldão). O projeto é de autoria do escritório alemão GMP e inspira-se em elementos da cultura, fauna e flora amazonenses. A capacidade é de 44.310 pessoas e vai custar R$ 532,2 milhões.

Infraestrutura
O projeto de infra-estrutura da cidade de Manaus também preocupa Valcke. Relatório recente mostra que um projeto de R$ 650 milhões do monotrilho não ficaria pronto a tempo. O BRT também pode não ficar pronto até 2014.