Publicidade
Esportes
Craque

Gremistas chamam goleiro do Santos de ‘macaco’ em mais um caso de racismo no Sul

Torcedores do time gaúcho gritaram ofensas ao jogador na derrota da equipe por 2 a 0 pela Copa do Brasil, na Arena do Grêmio. Visivelmente transtornado, o atleta santista disse ter sido chamado de “preto fedido” 29/08/2014 às 09:29
Show 1
Aranha foi chamado de "macaco" e de "preto fedido" por torcedores do Grêmio.
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Mais um caso de racismo envolvendo torcedores do Grêmio ocorreu na noite desta quinta-feira (28), no estádio do clube gaúcho. Durante jogo de ida da Copa do Brasil, o goleiro Aranha, do Santos, sofreu discriminação racial, sendo chamado de “macaco”. Uma moça foi flagrada por uma câmera de TV no momento em que ofendia o jogador. Caso isso se repita, o time do Sul pode sofrer punição com perda de pontos e multa de R$ 100 mil.

Parte da torcida do Tricolor Gaúcho que estava atrás do gol defendido pelo camisa 1 do Santos, começaram a xingar o jogador, entre outras ofensas, de “preto fedido”. O goleiro se irritou e chamou a atenção da arbitragem, que pediu para a segurança do estádio reforçar aquele setor. Bastante indignado, Aranha afirmou que essa não é a primeira vez que isso ocorre na Arena do Grêmio.

“Da outra vez que viemos jogar aqui pela Copa do Brasil (em 2013), tinha campanha contra racismo acontecendo. Não é à toa. Sei que torcida pegar no pé é normal, mas começaram a me chamar de 'preto fedido', a gritar 'cambada de preto'. Fiquei nervoso, mas me segurei. Mas aí começou coro de 'macaco', eles ficaram imitando o animao. Fizeram rapidinho, para não dar tempo de filmar. Fico nervoso com essas coisas”, disse o goleiro.


Alguns torcedores se defenderam da acusação dizendo que o arqueiro santista havia os ofendido antes. Aranha negou e disse que apenas respondeu ao ato racista vindo da arquibancada. “Vieram falar que eu estava insultando a torcida. Quando me chamaram de preto, de macaco, essas coisas, eu virei para eles, bati no braço e disse: Sou preto, sim. Sou negão sim. Se isso é insultar, eu não sei. Todo mundo que vem jogar aqui sabe. Não são todos, mas sempre tem alguns racistas aí no meio”, explicou o camisa 1.

Flagrante e possível punição

Uma câmera de TV do canal Espn Brasil flagou o momento exato em que uma torcedora do Grêmio xinga o goleiro do Peixe (como é conhecido o Santos) de macaco. A diretoria do santista isentou o Grêmio de qualquer punição, mas disse que vai acionar a Justiça para punir os torcedores racistas.


“É um bando de torcedores e uma torcedora, aparece uma leitura labial perfeita, do termo macaco. Tivemos uma conversa com o pessoal da comunicação. Vamos falar com o pessoal do jurídico. Vamos pedir manifestação dos tribunais. E que busquem a punição dessas pessoas", disse Odílio Rodrigues, presidente do clube paulista.

Outro que se manifestou com tristeza e repúdio sobre o episódio foi o gerente de futebol do Santos, Zinho. “Dentro do vestiário estávamos muito tristes, indignados com a atitude dessa torcedora, que não cabe mais no futebol, no mundo ou na vida. Está detectada a pessoa, vi as imagens, eu mesmo assisti, e acho que essa pessoa vai ter que responder sobre essa atitude racista dela”, disse o ex-jogador.

O Grêmio poderá sofrer punição prevista no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O que varia de uma simples multa até a exclusão do campeonato, o que é quase impossível. Dependerá de quanto a agremiação do Sul se desvincular dos torcedores envolvidos no caso.

O código prevê a punição por atos discriminatórios pelo artigo 243-G. Pela leitura do texto, fica claro que punição prevista para atos racistas de torcedores é a multa entre R$ 100,00 e R$ 100 mil. Perda de pontos e exclusão do campeonato são usados quando pessoas vinculadas a uma entidade esportiva são responsáveis pela discriminação. Em geral, isso se aplicaria a jogadores, comissão técnica e dirigentes.

Caso se repete na Arena do Grêmio

Como o goleiro Aranha afirmou assim que deixava o gramado do estádio gremista, o ato de racismo que sofreu, não é o primeiro que acontece no local. Em um Grenal (maior clássico gaúcho) disputado este ano na Arena do Grêmio, o zagueiro Paulão do Internacional sofreu discriminação racial de um torcedor do Tricolor.


Ao deixar o campo da Arena do Grêmio após a vitória do Inter por 2 a 1 na primeira partida da final do Gauchão de 2014, o defensor viu um torcedor imitar um macaco, fazendo ofensas racistas das cadeiras do estádio. Prontamente, o zagueiro partiu pra briga com o aficionado rival, que fugiu evitando “encarar” o jogador. Paulão não registrou queixa e o caso gerou multa de R$ 80 mil ao Grêmio.