Publicidade
Esportes
Craque

Jogador do São Paulo xinga torcedor no Twitter e depois tenta aliviar a barra

Ao ser criticado por um torcedor via Twitter, o meio-campista xingou o fã em sua conta pessoal, mas logo depois apagou a mensagem 19/03/2013 às 11:52
Show 1
Denilson perde a razão ao bater boca com torcedor do Tricolor Paulista
ACRITICA.COM ---

Apesar de ser líder no Campeonato Paulista e ainda ter chances de passar para a próxima fase da Copa Libertadores, o elenco do São Paulo parece não estar conseguindo suportar a pressão.

Um dia depois de Luis Fabiano marcar um gol e dizer que não tinha motivos para comemorar, foi a vez do volante Denilson colocar mais lenha na fogueira. Nesta segunda-feira (18), ao ser criticado por um torcedor via Twitter, o meio-campista xingou o fã em sua conta pessoal, mas logo depois apagou a mensagem.

O torcedor @perioliveira disse para Denilson. “Só falar não resolve, tem que demonstrar. Está na hora de parar com marketing próprio e jogar bola, honrar a camisa que diz que ama”. Prontamente, pela conta @_denilson15, o jogador mandou o torcedor tomar “naquele lugar”. Indignado, o são-paulino ainda deu uma resposta: “@_denilson15 Você xingou a pessoa errada, tenha a certeza que logo nos encontraremos cara a cara e você vai ter que repetir isso. Aqui é SPFC (iniciais de São Paulo Futebol Clube)”.  O jogador, já sem direcionar o comentário, ainda desabafou e preferiu evitar mais polêmicas. “Sempre procurei defender da melhor forma esse manto... Eu sou Tricolor, galera, não vamos deixar essas coisas a gente triste não....”, minimizou.

Ameaçado

Independentemente da confiança depositada publicamente pelo presidente Juvenal Juvêncio, o técnico Ney Franco sabe que entrou em rota de colisão com três jogadores importantes do elenco e muitos conselheiros do São Paulo usam isso para dizer ao cartola que o treinador perdeu o comando do grupo. A gota d’água foi a maneira como o zagueiro Lúcio tratou a sua substituição na partida contra o Arsenal, na Argentina, na semana passada. Visivelmente irritado, preferiu não ficar no banco de reservas com os companheiros e ainda foi antes para o ônibus da delegação.

Só que o caso de Lúcio não foi o primeiro desde a chegada de Ney Franco. Antes, na temporada passada, o goleiro e capitão Rogério Ceni já havia sido repreendido publicamente por tentar se intrometer em uma alteração na equipe. O jogador queria a entrada de Cícero, mas o comandante optou por William José.

Neste ano foi a vez de Paulo Henrique Ganso mostrar um grande descontentamento ao ser sacado durante a partida contra o Palmeiras, pelo Campeonato Paulista. Mesmo após esses episódios, o presidente Juvenal Juvêncio deu respaldo ao treinador. “Continuo como todos que militam no futebol, ele é o técnico e sabe o momento da mexida”, disse após a derrota da equipe para o Arsenal, pela Copa Libertadores. O dirigente acha que o comandante mostrou personalidade nestas situações.