Publicidade
Esportes
Craque

Jovens atletas do AM mostram capacidade, mas necessitam de investimento e apoio

Amazonense de Atletismo Sub-23 mostrou que há talentos locais em plena evolução, mas ainda há necessidade de ajuda financeira e trabalho de amadurecimento psicológico aos atletas 20/08/2012 às 13:22
Show 1
Promessa: Érica Lopes venceu na provas de salto em distância e salto triplo
Paulo Ricardo oliveira Manaus (AM)

O Campeonato Amazonense de Atletismo Caixa Sub-23, que aconteceu neste fim de semana, na Vila Olímpica, mostrou que há talentos locais em plena evolução, mas ainda há necessidade de ajuda financeira e trabalho de amadurecimento psicológico aos atletas. O evento reuniu corridas de fundo, meio-fundo e velocidade, arremesso de peso, lançamento de disco, de dardo, revezamento 4x100, salto em altura e em distância, 400 metros com berreiras, dentre outras provas.

O manauense Franklin Ribeiro, 16, e a parintinense, Luciana Barros, 17, foram os destaque nas provas de velocidade.

Franklin venceu disparado os 100 e 200 metros rasos disparado, com os tempos de 10s09c e 22s01c, respectivamente. “Os tempos foram razoáveis. Vou procurar manter minha evolução nos treinos e acertar alguns detalhes, pois na reta final eu chego quase morto”, explica o velocista.

Luciana chegou em primeiro lugar também em ambas as provas e não deu brecha para as concorrentes, Nos 100 rasos, ela marcou 12s08c e nos 200, 22s01c. “Poderia ter sido um tempo melhor, mas eu não treinei como deveria, porque a nossa vinda para Manaus só foi definida na última hora”, diz a jovem atleta.

Franklin (Ifam) e Luciana (Irapam) são dois exemplos de potencial local que estarão na flor da idade nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro daqui a quatro anos, ele com 20 anos e ela com 21. Mas nem Franklin, nem Luciana têm qualquer tipo de patrocínio. Ambos vão às competições com a cara e a coragem. “Eu sei que tenho potencial para ser trabalhado. A Olimpíada no Rio é um sonho. Vou continuar treinando para evoluir minhas marcas”, diz Franklin. Luciana é mais realista. “Estou pensando em parar. É muita dificuldade para treinar. Não temos pista  em Parintins, não temos equipamento adequado, quase a gente não vem para a competição”, diz a velocista que é três vezes consecutivas campeã nos 100 e 200 metros no Jogos Escolares do Amazonas (Jeas).    

Participação

A presidente da Federação Desportiva de Atletismo do Estado  Amazonas (Fedaeam), Margereth Bahia avaliou positivamente a competição. “Tivemos 120 atletas inscritos, o dobro em relação ao último, que teve 60”.

Leia também

Estudantes atletas fazem boa performance e são homenageados