Publicidade
Esportes
Craque

Londres 2012: Conheça a história de Marílson Gomes dos Santos

Pai de família dedicado e atleta aplicado, maratonista mantém sonho olímpico vivo 08/05/2012 às 10:03
Show 1
Marílson Santos treina para chegar a Londres
Adan Garantizado Manaus

Aos 34 anos de idade, o maratonista Marílson Gomes dos Santos conquistou marcas invejáveis na carreira. Tricampeão da Maratona São Silvestre, bi da Maratona de Nova York, medalha de ouro no Pan-Americano de Guadalajara, recordista sul-americano dos 5.000 m, 10.000 metros e da meia maratona (21 km). O brasiliense de 1,74 e 58 kg poderia muito bem estar desfrutando a vida, curtindo a aposentadoria, mas falta algo para a “satisfação total”. Pela segunda vez na vida, Marílson vai tentar conquistar uma medalha olímpica.

Ciente do desafio, o atleta se prepara em São Caetano do Sul, São Paulo, onde está localizado o CT de seu clube, o BM&F atletismo. Foi no seu “QG” que Marílson recebeu a equipe do CRAQUE. O sonho olímpico está mais do que vivo na mente do maratonista.

“Vou tentar de tudo pra que isso aconteça. Tenho o objetivo de chegar ao pódio Olímpico em Londres. Vai ser uma prova muito dura. As marcas dos rivais estão melhorando absurdamente. Os africanos dominam as maratonas no mundo todo, mas eu tenho a esperança de conseguir a medalha”, frisou Marílson.

Em Pequim, 2008, Marílson chegou com grandes esperanças na sua estreia em Jogos Olímpicos. Mas, desistiu na metade da desgastante prova de 42 km. Até hoje ele não consegue explicar os motivos de não ter completado a maratona na China.

“Até hoje não entendo o porquê. Acho que foi devido a fatores climáticos como a poluição e a alta umidade. Às vezes o clima favorece um e desfavorece outro. Não estava em um bom dia nem me sentia bem. Não deveria nem ter saído de casa (risos)”, confessa.

Casado com a também atleta Juliana Gomes, Marílson tem um filho, Miguel, de um ano de idade. O apoio dentro de casa é fundamental para o bom desempenho do atleta.

“Digo que o Miguel é minha maior vitória. A Juliana me acompanha e sempre me dá forças. Ela é uma super companheira. Os meus resultados vieram muito em função desse relacionamento feliz com ela”, declara o apaixonado maratonista.

Marílson dos Santos -  Maratonista brasileiro

1  É verdade que antes de começar a correr você jogou futebol? Seu desempenho dentro de campo era melhor do que nas pistas?
Joguei futebol, cheguei a participar da escolinha de Ceilândia, no Distrito Federal. Como morei em um bairro pobre, de periferia, praticava todos os tipos de esportes. Era uma criança muito ativa que não gostava de ficar em casa. Era um dos filhos que mais dava trabalho. O futebol era uma das modalidades. Mas posso garantir que sou melhor corredor do que jogador (risos).

2  A experiência não tão positiva em Pequim lhe deixou quais lições?
Na primeira Olimpíada você cria uma expectativa muito grande. Consegui aprender muito com o que fiz em Pequim. Tanto que dois meses depois, eu competi na maratona de Nova York e ganhei.

Comecei a pensar em Londres desde lá. Penso em chegar na Olimpíada e conseguir bom resultado desde então. Espero que a experiência faça a diferença e que eu não repita os mesmos erros em Londres.

3  A maratona de Nova York é uma das provas mais importantes do mundo. Qual a sensação de ser bicampeão desta competição?
É ótimo e os americanos sempre me respeitam e me tratam muito bem quando vou lá. Nova York é uma das mais populares do mundo. Qualquer atleta quer chegar e vencer uma prova dessa. E eu sinceramente me surpreendi quando venci pela primeira vez lá. O percurso é muito acidentado, tem muitas pontes e obstáculos. Espero que tudo isso me ajude a conseguir a medalha Olímpica.