Publicidade
Esportes
Craque

Londres 2012: Ex-nadador brasileiro fala sobre a atuação do Brasil

Gustavo França Borges fala com o CRAQUE e deu seus “pitacos” sobre a participação brasileira nas olimpíadas 29/07/2012 às 15:06
Show 1
Em Atlanta - 96, Borges obteve prata nos 100 m livre e bronze nos 200m livre
Adan Garantizado Manaus (AM)

Vinte nadadores brasileiros dão suas braçadas no Centro Aquático do Parque Olímpico de Londres desde ontem. E “nunca antes da história desse País”, os atletas aquáticos do Brasil chegaram tão preparados e com tantas esperanças aos Jogos Olímpicos. Há 20 anos, nas piscinas de Barcelona, um dos grandes “inspiradores” desta geração caia nas piscinas espanholas e se apresentava ao mundo: Gustavo França Borges.

Em 92, com 19 anos, Borges conquistou a prata nos 100 metros livre em uma decisão tensa. Ele chegou atrás apenas do russo Alexander Popov, mas, o placar eletrônico apontava um quinto lugar para o brasileiro. Quarenta minutos depois, veio a confirmação do erro e Gustavo pôde, ali, começar sua “coleção” de medalhas olímpicas. Ao todo, foram quatro Olimpíadas e quatro medalhas na carreira. Números que fizeram dele um dos grandes nomes da história do esporte no País.

Ele conversou com o CRAQUE nesta semana e, obviamente, não deixou de dar seus “pitacos” sobre a natação brasileira em Londres. O ex-nadador está bem otimista.

“Temos chances reais de cinco medalhas, sem contar as surpresas. O bom momento da modalidade pode ser explicado pela ótima preparação dos atletas. A equipe chega bem preparada e tem chances de bater recordes de medalhas”, destacou Gustavo. O recorde de pódios da natação brasileira foi em Atlanta-96, com três medalhas, sendo duas delas conquistadas por Borges (prata nos 100m livre e bronze nos 200m livre).

O ex-atleta enumerou os seus brasileiros favoritos nas piscinas e até quem pode surpreender. “Aposto em Cesar Cielo nos 50m e nos 100m, Thiago Pereira nos 200m medley, Felipe França nos 100m peito e revezamento 4x100. Surpresas podem vir nos revezamento medley e com o Bruno Fratus nos 50m”, especulou.

O fato de ser uma espécie de espelho e servir de inspiração para grande parte da geração que está nadando em Londres é motivo de orgulho para Gustavo “Eu me sinto muito honrado. Isso faz parte do processo de esporte e da vida, tive meus ídolos e consegui chegar onde cheguei também por inspiração. Essa geração com certeza vai ajudar muita gente no futuro”, frisou.

Três perguntas

Gustavo Borges, ex-nadador brasileiro

1  César Cielo é um favorito incontestável nos 50m livres. Isso pode prejudicá-lo? 

Acredito que não, ele tem experiência e vai pra vencer a prova.  É o atual recordista, campeão da prova e líder no ranking. Tem que ter confiança e fazer o melhor.

2  O Michael Phelps vai “dominar” Londres assim como fez em Pequim?

Acredito que em algumas provas o Ryan Lochte é um atleta que possa fazer isso. Nas provas dos 200 e 400 medley vai ser interessante a disputa.

3  Não ter conseguido o ouro olímpico foi frustrante para você? Qual foi a Olimpíada que você considera a mais marcante da sua carreira?

Subir ao pódio por quatro vezes é motivo de orgulho. Claro que a 1ª medalha, nos 100 livre em 92, na Espanha, foi a mais marcante. A primeira delas. Teve a polêmica história do placar em que fiquei 40 minutos esperando o resultado, mas no final subi ao pódio.