Publicidade
Esportes
Craque

Lucas Silveira do ‘Fresno’ fala sobre show em Manaus

Em entrevista ao MANAUS HOJE, Lucas Silveira fala de seus projetos pessoais e também agradece o carinho dos fãs amazonenses 04/04/2012 às 11:51
Show 1
Lucas Silveira
Nathália Andrade ---

Lucas Silveira, vocalista da banda Fresno, volta a Manaus amanhã, trazendo o projeto “Visconde” ao Teatro Direcional. Antes de desembarcar por aqui, o cantor deu entrevista exclusiva ao MANAUS HOJE, confira!

MANAUS HOJE: Fale um pouco sobre a proposta do “Visconde”.
Lucas Silveira: É uma espécie de laboratório onde eu testo, misturo, experimento músicas que eu vejo como “injustiçadas”, por não terem sido gravadas pela Fresno. Algumas composições já foram feitas exclusivamente para o Visconde, mas o fio condutor que une todas elas é essa coisa de existir dentro de mim uma faceta que se perde em todos esses projetos, de escrever e cantar uma coisa que preencha o espaço, que acalme e que seja meio uma trilha sonora.

MH: Você já tinha engatado um projeto solo antes, o “Beeshop”. Ele continua? Qual a diferença entre os dois?
LS: O Beeshop acabou virando uma banda. Começou bem parecido com o Visconde, mas a partir do momento em que eu gravei o disco, em 2010, senti a necessidade de ter comigo uma banda pra me acompanhar. Com o passar do tempo, eu me desvencilhei um pouco da obrigação de ser fiel ao disco e dei vazão a uma coisa mais divertida, meio teatral. E o Visconde ficou com isso de ser apenas eu, minhas músicas, um piano e um violão.

MH: Você segue com a Fresno paralelamente ou está “dando um tempo” para se dedicar ao Visconde?
LS: Jamais! Fresno é a minha prioridade na vida. Eu trato todos os meus projetos solos como grandes hobbies que resultam em arte produzida, mas que não me fazem largar o meu sonho mais antigo e mais importante. Eu, antes de qualquer coisa, sou o vocalista, guitarrista e compositor de uma banda de rock. Nesses outros projetos eu amplio minha visão musical, exercito a quebra de preconceitos e mostro pro público as coisas que não cabem na Fresno, mas sem a minha banda, esses projetos não fariam muito sentido.

MH: O que mais você pensa em realizar na sua carreira musical, quais os seus planos? LS: Eu quero muito contar com os meus companheiros de Fresno para levar a banda a um patamar ainda mais alto, com ambiciosos e me aliando a gente que ama o que faz. Temos um DVD em mente, pra ser gravado esse ano, além de um disco que está em processo de produção, mas que eu também quero que saia esse ano.

MH: Os fãs de Manaus sempre tiveram um carinho muito grande por você e pela Fresno, desde muito antes de vocês ficarem conhecidos pelo grande público. Deixe um recado para quem está ansioso pela sua volta aos palcos daqui.
LS: Tocamos em Manaus pela primeira vez em 2005, com a Fresno ainda independente, e ficamos surpresos com a nossa popularidade na cidade. Além disso, na medida do possível, pudemos conhecer a cidade, fazer um pouco de turismo e provar todo tipo de comida local. Infelizmente o tamanho continental do Brasil e os custos de produção envolvidos nos impedem de visitar a cidade com maior assiduidade, mas a gente sempre faz de tudo pra mostrar nossa música por aí. Quem sabe essa minha ida solo não resulta numa faísca que me faça levar a Fresno novamente para o Amazonas? Aguardem!