Publicidade
Esportes
BATALHA

Lutadores de taekwondo pedem 'patrocínio' em semáforos para disputar torneios

Grupo de 10 atletas diz que alto custo de competições motivou ação para arrecadar R$ 5 mil 21/10/2017 às 09:42
Show atleta
Grupo fica no cruzamento pelo menos duas vezes por semana (Foto: Evandro Seixas)
Dayson Valente Manaus (AM)

A falta de patrocínio é uma das principais dificuldades que um atleta enfrenta para iniciar uma carreira no esporte ou se manter em alto nível. Para superar este obstáculo, um grupo de 10 atletas de taekwondo decidiu se reunir na esquina da Avenida Mário Ypiranga com a Rua Salvador, em Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus e pedir para que os motoristas “patrocinem” a participação dos atletas em duas competições no mês de outubro.

Nos dias 28 e 29 deste mês, acontecem o Eco Open Internacional e Open do Norte de Taekwondo, que serão realizados no Centro Estadual de Convivência da Família Magdalena Arce Daou, no bairro Santo Antônio. O Eco Open serve como seletiva para a Copa do Brasil da modalidade. Já o Open Norte conta pontos para o Ranking nacional.

O atleta João Marques, 25, explica que os lutadores faixa preta ainda disputarão a Copa do Brasil, que será em novembro na cidade de Brasília. Por conta do alto custo, eles decidiram ir às ruas para pedir apoio financeiro. “Como não temos patrocínio, decidimos de forma conjunta pedir ajuda de forma humilde para disputarmos as competições que são muito importante para nós”, conta o atleta de 25 anos, que também é faixa preta. Os atletas são da Academia Solimões de Taekwondo, no bairro Coroado 2, na zona Leste da cidade.

João conta que já “perdeu as contas” de quantas vezes procurou pelo poder público, mas não recebeu resposta. “Pedimos várias vezes a ajuda da Prefeitura e do Governo, através da federação de Taekwondo, mas sempre é a mesma desculpa, que não tem dinheiro, que foi em cima da hora ou excesso de atletas. Então, decidimos correr atrás por conta própria”, explicou o faixa-preta.

Há cerca de dez dias pedindo dinheiro nas ruas, o grupo quer arrecadar o valor de R$ 5 mil reais, que segundo os cálculos, cobriria despesas como inscrição, alimentação e compra de protetores eletrônicos para os atletas. A ação solidária tem sido bem recebida pela população. “Graças a Deus, as pessoas estão se senbilizando. Já conseguimos arrecadar aproximadamente mil reais. É muito gratificante esse retorno”, festeja o João Marques.

Os atletas costumam chegar no cruzamento da Salvador com a Mário Ypiranga por volta das 19h, todas as terças e quintas-feiras.

Dedicação

O técnico do grupo, Jonas Solimões, destaca a humildade de seus pupilos e que seu grupo está preparado para as competições. “Todos são atletas incríveis, dedicados e com muita força de vontade para correr atras dos seus objetivos”, conta o mestre.

Desde os 9 anos de idade no taekwondo, João Marques é tetracampeão amazonense, vice-campeão brasileiro e já faturou um ouro na Copa América da modalidade. O jovem conta que o esporte entrou na sua vida através de um convite de amigo para treinar. Com 25 anos e dez de faixa preta, João conta que os pais sempre ajudaram com os custos dos campeonatos, mas agora foi preciso correr atrás. “As passagens são caras, custos são elevados e meus pais ficaram sobrecarregados. Então preferi pedir ajuda nos semáforos”, explica o atleta.