Publicidade
Esportes
Craque

Marcelo Oliveira espera Nacional fechado na defesa e pretende explorar as bolas paradas

O Nacional precisa de um empate com gols ou vitória para se classificar à segunda fase da Copa do Brasil. Empate sem gols leva a decisão para os pênaltis 20/03/2012 às 19:23
Show 1
Marcelo Oliveira, técnico do Coritiba durante treino
Acritica.com Manaus (AM)

Nesta quinta-feira (22), às 18h30 (Manaus), o Coritiba tem o compromisso de enfrentar o Nacional-AM no jogo de volta pela Copa do Brasil. A partida decidirá quem passa para a segunda fase da competição.

No treino desta terça-feira no CT da Graciosa, o técnico Marcelo Oliveira avaliou possibilidades e disse que confia na preparação da equipe para esse jogo decisivo.

Marcelo lembra que o ataque com bola parada do adversário é de qualidade, mas reafirma que o time alviverde precisa se impor dentro de casa e ir em busca da vitória:

“Eu imagino o Nacional-AM jogando atrás da linha da bola, com muitos jogadores marcando muito forte. Lá eles já fizeram isso, fizeram bastante faltas”. E ele pretende fazer proveito da postura adversária.

“A bola parada faz parte do jogo e a gente precisa utilizá-la muito bem, por isso que a gente treina muito”, lembrou.

Após analisar o concorrente, o técnico reforçou a postura ofensiva que tem passado para o grupo.

“Nós temos que ter a paciência na hora de rodar a bola, mas temos que impor o poder de agressividade para estar sempre no campo do adversário e não deixá-los saírem tanto”, afirmou.

O técnico alviverde ainda crê que se a equipe pensar na Copa do Brasil como uma competição que envolve mesmo todo o país será mais fácil entender a importância do campeonato.

“É nisso que a gente está pensando para passar esta fase e lembrando sempre que é uma copa de dez a 12 jogos que te dá a possibilidade de ir para à Libertadores. Então, é fundamental todo o empenho e toda a dedicação”, afirma.

Para esclarecer melhor a situação da equipe, ele relembra a vitória sobre o Paranavaí, no domingo.

“Não nos abalamos diante do gol do adversário e isso foi importante. Eu acho que estamos no caminho. Temos uma defesa consistente, podemos armar este ataque com velocidade e toque. No setor de meio campo que a gente tem que ter um equilíbrio maior entre marcação e saída de bola”, pondera.