Publicidade
Esportes
Craque

Na capoeira, Mestre Ângelo inicia turnê nacional

Nesta terça-feira (21), o professor que estava em Manaus, embarcou para começar uma excursão nacional. Com ele, também estavam duas alunas catalãs 22/08/2012 às 09:18
Show 1
Cenário perfeito traz exibição em frente ao Teatro Amazonas
A Crítica Manaus (AM)

Luta, jogo, cultura popular e música. Com tantos “atributos” a capoeira distingue-se não somente por ser uma modalidade, mas também um estilo de vida. Não à toa, praticantes aprendem a lutar e a “jogar”, bem como tocar instrumentos típicos e a cantar.

“É por isso que ela é tão venerada em outros países”, opinou o mestre Ângelo Capacete, que há três anos mora em Barcelona e lá comanda o grupo Matumbé, com cerca de 60 alunos.

Nesta terça-feira (21), o professor que estava em Manaus, embarcou para começar uma excursão nacional. Com ele, também estavam duas alunas catalãs: Pati e Madalena, que retornam no último final de semana de setembro (29 e 30) para Manaus e juntamente com mais de 300 adeptos de várias partes do mundo, participarão da comemoração de mais de 20 anos do grupo Matumbé e troca de graduação.

“Hoje (terça-feira) a gente já começa uma viagem pelo Rio de Janeiro, onde vamos passar cinco dias. Depois, vamos para São Paulo e após isso passaremos 13 dias em Salvador. Tudo isso, pra gente voltar em setembro pra Manaus e fazer uma bela apresentação”, comentou Capacete, ao fazer uma crítica sobre o esporte no País.

“A tradição cultural da Capoeira é muito grande e no Brasil parece ainda não receber a importância devida. Aqui no País não há prioridade. Já no exterior, ele é encarado com seriedade, onde as pessoas fazem questão de praticá-lo”, observou o mestre, ao afirmar que os “gringos” não têm dificuldade em aprender a modalidade, já que não são somente os movimentos corporais que fazem parte da capoeira, mas como outros elementos. “Quem não sabe tocar, pode estudar sobre a cultura”, disse.