Publicidade
Esportes
Craque

Nos pênaltis, Princesa bate Penarol e se classifica para a final da Taça Amazonas

A partida ficou empatada em 1 a 1 no tempo normal e por isso teve que ser decidida nas penalidades 05/03/2012 às 08:42
Show 1
Princesa derrota o Penarol e vai enfrentar o Nacional na final do pirmeiro turno do Amazonense
Paulo Ricardo Oliveira Itacoatiara

O Tubarão de Manacapuru jantou o Leão de Itacoatiara por 4 a 3, neste domingo, no estádio Floro de Mendonça, na decisão por pênaltis e teve seu dia de rei da selva. O resultado garantiu a equipe comandada pelo técnico Aderbal Lana na final do primeiro turno do Estadual de 2012, contra o Nacional. Nas cobranças alternadas, Renato Gladiador conferiu para o Princesa do Solimões, para depois o goleiro da equipe, Luiz Paulo, defender a cobrança de Isaac, estreante do Penarol. Na sequência de cinco cobranças para cada lado Paulo Roberto, Rondnelli e Fernando acertaram o gol, mas Kitó e Pezão erraram para o Leão. Felipe e Batista não converteram suas penalidades, mas Cacau, Fernando e Baié assinalaram para o Tubarão.

No tempo regulamentar, a partida não passou de 1 a 1, com Isaac marcando para o clube da Velha Serpa, e Felipe empatando para o Princesa, ao desviar uma bola de cabeça. Mas o Penarol poderia ter vencido o jogo de goleada, não fosse o desajuste na pontaria dos seus atacantes. Ronimar perdeu ao menos duas chances na cara do gol. Ele havia substituído o meia Edson Sá, que saiu aos 12 minuto do primeiro tempo com lesão na coxa. Seu companheiro de equipe, Paulo Roberto também desperdiçou uma bela oportunidade, mandando a bola do travessão com um belo chute. Marinelson também perdeu um gol inacreditável. O Penarol ainda teve um gol anulado pelo árbitro Celso Motta Rezende, quando a assistente Anne Kesy de Sá apontou impedimento do atacante Fernando. A anulação do gol gerou revolta entre diretoria, comissão técnica e, é claro, torcedores do Penarol, que passaram a xingar Anne Kesy até o término do tempo regulamentar.

A classificação na casa do adversário “lavou a alma” de Aderbal Lana, tido para muitos como ultrapassado. “A gente passa uns anos sem ganhar nada e tudo mundo acha que estou acabado, mas não tem nada não. Continuo trabalhando do meu jeito. Uma hora os resultados aparecem”, disse o técnico.

Aderbal Lana – técnico do Princesa

Qual o fator que mais contou a favor do Princesa para vencer o Penarol na casa do adversário?
Começamos cobrando mal as penalidades, mas depois os cobradores da equipe se encontraram. Acho que o mérito é dos jogadores. No jogo corrido, fomos bem na parte tática e na física, os jogadores se doaram, lutaram até o fim. Esse é o resultado quando a gente trabalha corretamente.

2 Disseram que o senhor estava ultrapassado, que seu tempo no futebol amazonense acabou... Ainda vão ter de lhe engolir?
(risos). Ainda não vi um treinador que ganhou tantos títulos quanto eu aqui no Amazonas. Foram uns quatro no Nacional, três estaduais no São Raimundo, três Copas Norte, fora as conquistas de turnos. Quando alguém superar tudo isso, eu paro. Tenho 65 anos e ainda me sinto muito bem, mesmo fumando dois maços de cigarro por dia.

3 O senhor é um técnico de comentários polêmicos. Isso é um marketing do Aderbal Lana?
Não mesmo. Isso é sinceridade. Outro dia dei ma entrevista dizendo que cabeça não era só para piolho, era pra pensar. E é isso que eu faço. Eu estudo sistemas táticos, novas formações. Não é porque um técnico tem 65 anos que ele está velho. Ao contrário. Para um treinador que sempre estuda, a experiência é uma aliada.