Publicidade
Esportes
Craque

Peladão 2012 ajuda trabalhadores a ganharem uma renda a mais

Enquanto os Peladeiros estufam as redes, tem gente contabilizando lucros de costas para o campo 14/12/2012 às 15:03
Show 1
Neucir Mendes complementa a renda familiar enchendo a barriga dos treinadores, jogadores e torcedores do Peladão, que não resistem ao cheiro de churrasco
Antonio Melo Manaus

Seja no barro; seja na areia; seja na grama; seja na várzea. Peladeiro que se preza não faz distinção de lugar ou de pessoas. E principalmente diferença do que comer ou beber depois de uma desgastante partida de futebol peladeiro.

Além de eles proporcionarem alegria aos apaixonados pelo futebol, ainda ajudam na geração de trabalho e renda para outros soldados que guerreiam em outra batalha, a luta pela busca do pão de cada dia.

É comum encontrar nas partidas trabalhadores que lutam para ganhar uma renda a mais. Um exemplo disso é o vendedor de churrasco, Nelsir Mendes, 39. Há cinco anos ele trabalha vendendo churrascos e refrigerantes na beira do campo do Ceam, no bairro São Francisco, Zona Sul. E afirma que seu faturamento nos jogos do Peladão ajuda muito a aumentar a renda de sua família.

“Graças a Deus todo final de semana dá para tirar daqui de 300 a 400 reais junto com a venda dos refrigerantes. Esses jogos são uma oportunidade de aumentar uma graninha no final do mês. Durante a semana eu trabalho como vigilante e faço de tudo para melhorar minha renda, afinal de contas tenho uma família para sustentar”.

Outro guerreiro que divide a freguesia no campo do Ceam e precisa ter muito jogo de cintura para driblar a falta de compromisso dos seus compradores em pagar os seus produtos é o mototaxista conhecido mais como Buchinha, que nos jogos do Peladão vende aquilo que o peladeiro mais valoriza: uma bela cerveja gelada.

“Graças a Deus eu faço um bom dinheiro aqui. Só tem um detalhe: a galera nunca quer pagar na hora, mas aí eu deixo que eles paguem depois porque a maioria é amigo”, conta.

Os vendedores são a cereja do bolo desse grande espetáculo que é o Peladão. São personagens que tornam o evento mais atraente, uma prova de que a competição, além de trazer alegria para os peladeiros de fim de semana, também gera emprego e renda aos trabalhadores e faz parte da vida ate de quem não sabe se quer chutar uma bola dentro do gol.

Em números
400 reais é o valor que Nelsir fatura em cada final de semana nos jogos do Peladão. Churrasco simples com farofa custa R$ 3; coração R$ 4; água mineral, de 500ml, R$ 2,50, e refrigerante R$ 2,50.Neucir Mendes complementa a renda familiar enchendo a barriga dos treinadores, jogadores, e torcedores, que não resistem ao cheiro de churrasco