Publicidade
Esportes
Craque

Peladão 40 anos: Conheça a trajetória da Rainha de 2008

Karla Chaves venceu o concurso de rainha em 2008 e foi parar na tela da TV A Crítica como jornalista 26/10/2012 às 09:09
Show 1
Karla Chaves venceu o concurso de rainha em 2008 e foi parar na tela da TV A Crítica como jornalista
Nathália Andrade Manaus

Quando foi eleita a Rainha do Peladão 2008, a jornalista Karla Chaves não imaginava os rumos que sua vida tomaria. Na época representando o time “Por que não jogaríamos?”, ela conta que a partir da conquista da faixa, a carreira profissional começou a decolar. Prestes a completar quatro anos como repórter da TV A Crítica, Karla se orgulha em olhar para trás e ver a história que construiu.

Na época do Peladão, Karla cursava duas faculdades, jornalismo e educação física. “O time que eu representava era formado pelos meus colegas de sala do curso de educação física, na Ufam”, disse. Ela, que é apaixonada pelas duas áreas de atuação, acabou deixando a paixão pelo jornalismo falar mais alto, mesmo porque o destino deu uma “forcinha”.

“Durante o Peladão, todas as meninas são muito visadas por muita gente. Damos muitas entrevistas, aparecemos em jornais e programas de TV. Essa visibilidade me ajudou”, lembrou a rainha de 2008.

Após ter sido coroada ela recebeu um convite da diretoria da TV A Crítica para fazer um teste na casa. “A TV estava numa fase de renovação, à procura de um rosto novo para integrar o quadro de repórteres. Depois que fui eleita, me chamaram para o teste porque sabiam que eu estudava jornalismo. Nem acreditei que estava tendo aquela oportunidade”, disse.


Karla, que estava no primeiro período da faculdade, fez o teste, foi aprovada e começou a trabalhar na TV no início de 2009. “Eu não tinha experiência nenhuma, não tinha visto as disciplinas práticas na sala de aula e contei muito com a paciência dos meus colegas de trabalho. Minha verdadeira escola foi a TV A Crítica, pois aprendi tudo fazendo”, destacou.

Hoje, Karla é repórter de política, mas mostra toda sua versatilidade com uma coluna semanal de cultura no jornal A Crítica na TV. “São dois universos que eu adoro. Serve para acabar com essa história de que repórter de uma determinada editoria só sabe fazer aquilo. Na hora de ser séria, sou séria, mas na coluna aproveito para brincar e descontrair”. disse a jornalista, que demonstra gratidão. “Aprendi muita coisa, ouço elogios que me deixam feliz, conquistei meu espaço e coloquei meu jeitinho. Sou muito grata, principalmente a meus chefes, Dissica Calderaro e Dalva Andrade”.

Muitas pessoas são importantes para Karla, mas ela destaca a mãe Lucilene Chaves e a repórter cinematográfica Nívia Salgado como as principais aliadas na profissão. A mãe por ser sua melhor amiga e a telespectadora mais exigente de todas, como ela define. E a parceira de trabalho e amiga pessoal Nívia Salgado por uma das que mais a ajudam, principalmente durante as externas, com dicas e sugestões.


Rainha do Peladão, jornalista e feliz
Como prêmio por ter sido eleita Rainha do Peladão Verde 2008, Karla levou para casa um carro 0km e fez diversos ensaios fotográficos. Outra conquista importante foi a conclusão do curso de jornalismo, na qual contou com todo o carinho da mãe, Lucilene Chaves. A parceira de reportagem Nívia Salgado cobra muito, mas também brinca e até “troca de lugar” com Karla.


Karla Chaves - Jornalista
“Quando eu comecei minha carreira jornalística, sabia, desde o início, que seria repórter, mas não comecei a aparecer logo de cara, o processo foi longo”. Assim que entrou na TV A crítica, Karla contou que precisava aprender o processo básico do jornalismo. Para isso, passou uma semana na apuração de notícias e duas na produção. Depois disso, passou a acompanhar as externas junto com a jornalista Elisângela Araújo.

Segundo Karla, Elisângela a “jogou no fogo” já no primeiro dia de externa, pois colocou o microfone na mão dela, escreveu um texto em um pedaço de papel e mandou Karla gravar uma passagem em plena Assembleia Legislativa do Estado. Em poucos minutos Karla decorou o texto e gravou a passagem. Ela brinca dizendo que sua vantagem foi sempre ter sido “cara de pau”, pois mesmo sem ter domínio, sempre foi curiosa e aceitou as críticas construtivas que vieram, além de não ter medo nem vergonha das câmeras. O objetivo agora é alcançar o cargo de apresentadora, sonho de toda repórter de TV.