Publicidade
Esportes
Craque

Peladão 40 anos: Feira da Banana e Santo Antonio disputam a final do Máster

Atual campeão do torneio, o time do Feira da Banana chega aos 18 anos de fundação com experiência e futebol suficientes para merecer o respeito de qualquer adversário 28/12/2012 às 22:28
Show 1
Feira da Banana tem pinta de favorito, mas não quis assumir o papel diante do Santo Antônio pra não cutucar o adversário com vara curta antes da final
Jornal A Crítica Manaus

A final do torneio da categoria Master do Peladão entre a Feira da Banana e F. C. Santo Antônio será o duelo da experiência contra a juventude. Atual campeão do torneio, o time do Feira da Banana chega aos 18 anos de fundação com experiência e futebol suficientes para merecer o respeito de qualquer adversário.

Já o F. C. Santo Antônio, criado em janeiro deste ano, quer provar que com menos de um “aninho” de fundação e apenas engatiando pode superar o favoritismo e a maior idade do rival.

Tavares Neto, diretor e volante do F. C. Santo Antônio, joga o favoritismo para o adversário. Mas garante que o time não quer deixar escapar a chance de fazer história. “Estamos engatiando, temos muito a aprender. A obrigação de vencer o jogo é do Feira da Banana. Mas nossa forma de jogar sempre é ofensiva. A gente joga com vontade de ganhar”, avisa Tavares Neto.

Nonato Souza, coordenador do Feira da Banana, diz que o time assume a responsabilidade de vencer o jogo, mas o favoritismo não. “Se não entra em campo determinado não consegue vencer”, disse Nonato.

O coordenador do Feira da Banana defende que mesmo favorito ao bicampeonato, o elenco vai respeitar o time do F. C. Santo Antônio do primeiro ao último minuto de jogo. “O jogo vai ser decidido lá dentro. Favoritismo não entra em campo. Todo time que enfrentamos encaramos como grande”, comentou.

História Participante do Peladão desde 2004, quando a categoria Master foi criada, o Feira da Banana só chegou ao desejado título do torneio ano passado. No sábado, no Sesi, às 17h, o time dos feirantes vai defender o bicampeonato. Já O F. C. Santo Antônio foi criado em janeiro de 2012. Em nove meses, participou apenas de dois campeonatos amadores: um em Manaus e outro no município de Iranduba.

O Feira da Banana chega a mais uma final de Peladão invicto. São nove vitórias até aqui e 27 gols marcados e apenas dois gols sofridos. O São Francisco F. C. foi o adversário que mais sofreu nas mãos do atual campeão, levando uma goleada de 8 a 0.

O F. C. Santo Antônio, no primeiro ano de Peladão, vem para o jogo final com oito vitórias e uma derrota. O ataque do estreante no Peladão também mostrou boa pontaria e marcou 22 gols em nove jogos. Na primeira fase, a equipe goleou por 8 a 1 a Policlínica Cardoso.

O vilão agora é o salvador
Carrasco do Feira da Banana em 2010, o atacante Piçuí, no sábado, pode se tornar o herói do bicampeonato do time do Centro de Manaus. “Estamos trabalhando para isso”, afirma o jogador, que mora em Manacapuru. Em 2010, Piçuí defendeu as cores do Cepe. O time disputou o título com o Feira da Banana e o atacante fez dois dos 4 a 1 que a equipe dos empregados da Petrobras aplicou no time dos feirantes na final.

Ano passado, o Cepe de Piçuí quase adia novamente o sonhado título do Feira da Banana. Mas, nos pênaltis, o time do Centro conseguiu superar o adversário. “O Cepe foi um adversário duro para o Feira da Banana. Em 2011, vendeu caro o título deles”, lembra Piçuí.

Para se livrar de qualquer problema este ano, os dirigentes do Feira da Banana resolveram trazer Piçuí para o lado deles. E deu certo. O atacante de 42 anos tem mostrado que continua com a pontaria calibrada. Foram deles os dois gols que colocaram o time na final.

“Todos estão concentrados na partida e se Deus quiser vamos ser campeão”, disse Piçuí, que mora em Manacapuru onde exerce a profissão de policial militar. O atleta jogou no futebol profissional do Amazonas por times como o Princesa, São Raimundo e Fast. Como o Feira da Banana não realiza treinos, Piçuí disse que evita festas e corre em média 30 minutos.

Moisés corre por vingança
 Xerife na zaga do Santo Antônio, Moisés está doidinho para estragar a corrida do Feira da Banana ao bicampeonato. De preferência sendo o vilão.

Moisés jogava na equipe do Feira da Banana que foi campeã em 2011. Naquele jogo, teve uma grave contusão que o obrigou a passar por um longo tratamento. Segundo Moisés, ele conseguiu se recuperar sozinho, sem a ajuda do antigo clube.

Mordido, decidiu buscar um novo time, e agora vem voando na zaga do Santo Antônio. “Sempre acreditei desde o início que a gente tinha condições de chegar à final”, conta o zagueiro.

Para Moisés, o time deve redobrar a atenção nos atacantes do Feira da Banana. “Devemos ter cuidado com o ataque deles, com o Piçuí e o Cavalo. É um ataque muito rápido”, comentou. Mas segundo Moisés, a equipe do Santo Antônio tem uma arma para os dois atacantes do adversários que pode pará-los antes mesmo que eles se aproximem na área. “Temos dois cabeças de área que são dois pit bulls. A gente confia muito nos meninos (Tico e Teco) na marcação”, avisa Moisés.

Moisés tem 45 anos. Foi jogador por três anos do Feira da Banana, onde foi campeão em 2011. Este ano, assinou com a equipe do F. C. Santo Antônio e agora quer ir à forra.