Publicidade
Esportes
Craque

Peladão 40 anos: Indígenas receberam troféu e confirmaram título masculino de 2012

Gaviões receberam a premiação pela conquista e sacramentaram o nome do time na galeria de campeão do Peladão Indígena 11/01/2013 às 12:51
Show 1
Indígenas erguem a taça de grande vitória
Nathalia Andrade ---

Uma campanha vitoriosa desde o início do campeonato. Assim pode ser definida a trajetória do Gavião Futebol Clube, que entrou em campo pela primeira vez neste Peladão Indígena no dia 4 de novembro de 2012, em um jogo marcado por muitos gols contra o Rio Negro Yepamahsã, no campo da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Quarta-feira à noite o time recebeu a premiação pela conquista e sacramentou seu nome na galeria de campeão do Peladão Indígena.

Formado na comunidade Waikiry, do bairro da Redenção, Zona Oeste de Manaus, o Gavião derrotou o adversário com uma goleada de 5 a 0, mostrando que não estava para brincadeira. “Desde o início nós viemos preparados para ganhar e foi o que fizemos. Na edição passada ficamos nas quartas de final e batalhamos para trazer melhorias para a equipe, em busca da vitória que veio esse ano”, destacou o jogador e coordenador da equipe, Eliomar Martins.

De acordo com Eliomar, a campanha feita pelo Gavião foi considerada excelente, mesmo que a vitória não tenha vindo em todos os jogos. “A equipe sempre esteve muito confiante. Tivemos reforços que somaram conosco. Um dos momentos mais difíceis foi o jogo contra o Karawara. Assistimos uma partida deles e presenciamos um ótimo futebol. Chegamos a pensar que perderíamos quando fosse a nossa vez, mas empatamos em 2 a 2”, lembrou o jogador. 

Depois de vencer o torneio Indígena, o Gavião disputou a permanência no campeonato com o a equipe dos Caça-Barca/ Amigos da Nonata. Para André Sateré, um dos principais jogadores do time, a equipe se apresentou bem desde o começo, mas desperdiçou muitas oportunidades no último jogo. “Poderíamos ter vencido logo no primeiro tempo, mas perdemos muitas chances de gol”.

André revelou que fica a felicidade de jogar o maior campeonato de peladas do mundo. “Tem gente que não acredita no nosso futebol só por sermos indígenas. Mas mostramos a eles”.