Publicidade
Esportes
Craque

Peladão 40 anos: Time do Peladinho será comandado por uma mulher

A industriaria Fabíola Vieira chutou o preconceito e resolveu comandar a equipe do Unidos do Santo Agostinho 05/10/2012 às 09:18
Show 1
Fabíola Vieira improvisa os treinos na quadra, mas diz que o importante mesmo é manter a disciplina dos jogadores
Lúcio Pinheiro Manaus

Assim como nas principais competições de futebol profissional do mundo, a presença feminina no comando técnico de uma equipe do Peladão ainda é rara, e, por isso, objeto de curiosidade. Na edição deste ano, na categoria Peladinho, a industriária Fabíola Vieira até prefere que os holofotes apontem apenas para os garotos treinados por ela, mas sabe que vai ser difícil não notá-la à beira do campo, já que é a única mulher comandando um time.

Estreante no maior campeonato de futebol amador do planeta bola, a equipe do Unidos do Santo Agostinho nasceu de um sonho antigo de Fabíola. “Sempre tive vontade de trabalhar com crianças. Ao mesmo tempo, sou apaixonada por futebol. Um amigo me falou que as inscrições do campeonato estavam abertas, então resolvi criar o time”, contou a industriaria.

Nascida e criada no Santo Agostinho, bairro periférico na Zona Oeste de Manaus, Fabíola diz que conhece bem a realidade de cada garoto do time que montou. “São meninos que vivem em áreas de risco, passíveis de, a qualquer instante, entrar no caminho do mal. Mostrar que é possível uma realidade melhor e formar cidadãos é o meu objetivo. No campeonato o importante vai ser se divertir”, comenta a técnica. 

Mas encarar o campeonato como uma diversão não significa que a equipe vai agir de forma irresponsável, avisa Fabíola. Colocar na formação dos meninos, por meio do futebol, o senso da responsabilidade e disciplina tem sido a principal lição da “professora” do Unidos do Santo Agostinho.

“Eles são muito indisciplinados. Tenho trabalhado muito isso nos treinos. Afinal, não só no futebol, mas no mundo lá fora, vão exigir esse comportamento deles”, ensina Fabíola.

Segundo Fabíola, o bairro não tem um campo onde ela possa avaliar cada um dos 11 garotos em suas posições. Assim, a técnica tem improvisado desde o mês de agosto com treinos na quadra de uma escola. “Mas eu confio nos meninos. Eles estão motivados e são bons”.

Pela novidade de ser o primeiro representante do bairro no Peladinho, Fabíola disse que espera contar com o apoio da torcida nos jogos. “Eu estou ansiosa e os meninos também. É a primeira vez que tem um time do bairro jogando. Eles vão levar os pais e as mães, e eu espero que a comunidade toda se mobilize”, declara Fabíola.

Apesar da paixão pelo futebol, Fabíola nunca dirigiu uma equipe. Por isso, ela admite que poderá deixar a equipe na mão quando o assunto for orientação técnica. Mas garante que saberá como compensar a limitação. “Palavras de incentivo não vão faltar. Vou gritar muito e tentar fazer com que eles entendam o que eu quero”, disse.

Duas camisas
Boa com a bola nos pés mais do que com a prancheta de técnica nas mãos, Fabíola Vieira conta que foi convidada para integrar a equipe do Salcomp, atual campeã da categoria feminina do Peladão. “Não sei se fizeram minha inscrição, porque deixei tudo de lado para cuidar do time”.