Publicidade
Esportes
BOXE

Pugilista do Amazonas conquista ouro nos jogos sul-americanos da juventude

Aos 16 anos, Iury Kauan alcança principal resultado da carreira em Santiago e dedica vitória ao treinador 07/10/2017 às 17:33
Show cefdc
(Foto: Wander Roberto/COB)
acritica.com Manaus (AM)

Quando o árbitro levantou os braços de Iury Kauan da Silva Reges e decretou sua vitória na final dos Jogos Sul-americanos nesta quarta-feira, dia 4, o sonho de um menino pobre da periferia de Manaus se concretizou. Na decisão pela medalha de ouro da competição, realizada em Santiago (CHI), o pugilista brasileiro da categoria meio médio ligeiro (até 63kg) superou não só o equatoriano Deiver Ávila, mas também uma série de dificuldades para alcançar o melhor resultado de sua ainda curta carreira de atleta. Esta foi a única medalha de ouro do boxe brasileiro na competição. A modalidade conquistou outros dois bronzes, com Laion Martinelli (até 52kg) e Rafael Bender (até 48kg).

“Esse foi o melhor resultado da minha vida até agora. Lutei muito para estar aqui. Era isso que eu queria, ser campeão sul-americano, representar meu país. Se Deus quiser, estarei nos próximos Jogos Olímpicos da Juventude no ano que vem”, afirmou Iury.

Iury Kauan tem 16 anos e vive em Alvorada, bairro pobre de Manaus, na Região Norte do Brasil. Quase cinco mil quilômetros separam sua casa da capital chilena. A trajetória de Iury até chegar no ápice da carreira é mais uma prova da eficácia do esporte para a inserção social de jovens carentes de todo o país. “Vim de muito longe. Senti muito frio aqui, não estava acostumado, mas botei no meu coração que ia ser campeão. Passei por vários obstáculos, muitos não acreditaram em mim e hoje eu fui campeão. Minha família, mesmo sem muitas condições, me ajudou bastante. Agradeço por tudo”, disse Iury, que mora com a mãe, empregada doméstica, e nunca conheceu seu pai.

Hoje, quem faz esse papel na sua vida é o treinador Carlos Fiola, que está no Chile acompanhando o novo campeão continental. “Para mim, é uma obrigação ser como um pai para o Iury. É um cara que precisa. A vida é curta e o tempo que temos é para ajudar as pessoas”, destacou o treinador, que projeta voos cada vez mais altos para Iury. “Eu tenho certeza que esse garoto fará muito pelo Brasil nos Jogos Olímpicos de 2024”, completou Fiola, emocionado.

LEIA MAIS

No boxe, jiu-jítsu ou na capoeira, cadeirante Marcley da Silva é craque na arte de lutar

Pugilistas representam o AM no Campeonato Brasileiro de Boxe com foco na Seleção

Torneio em comemoração aos 28 anos do Projeto Ring Boxe será sábado (10)