Publicidade
Esportes
Craque

Rogério Ceni faz novos exames e pode passar por cirurgia

Dores no ombro não melhoram após tratamento e remédio. Goleiro faz exames detalhados e cirurgia não está descartada 21/01/2012 às 11:02
Show 1
Rogério Ceni pode ter uma lesão mais grave do que parecia
Lancenet! São Paulo (SP)

Durante toda semana, após fazer tratamento na fisioterapia e receber medicação controlada, Rogério Ceni continua com dores no ombro direito, onde foi diagnosticada lesão no início da semana. Com isso, novos exames foram pedidos pelos médicos e neste sábado serão avaliados para definir a gravidade do problema do goleiro.

Rene Abdalla, responsável por operar os jogadores do Tricolor, estará no CT da Barra Funda. Ele ainda não teve contato com o capitão, mas conversou com os médicos, que também já ouviram outros especialistas da área. O grupo analisará o resultado da ressonância, pedido após quadro do camisa 1 não evoluir, e vão decidir qual melhor procedimento a ser adotado. Não está descartada cirurgia.

Segundo o médico José Sanchez, o problema de Ceni está em algum ligamento do ombro ou no labrum, estrutura semelhante a um menisco (cartilagem do joelho), que aumenta o contato com a cabeça umeral (osso do braço), estabilizando a articulação. Se a lesão do labrum for a causa da dor, a tendência é de que precise passar por cirurgia.

– Estamos preocupados, porque a evolução tem sido lenta e não está dentro do que esperávamos. Ele continua com dores e neste momento não podemos descartar nada – explicou o médico José Sanchez, em conversa com reportagem do LANCENET!.

– Vamos esperar o resultado dos exames. Só assim vamos saber qual será o procedimento. Fizemos tratamento durante esta semana mas ele continua com dores – completou o fisioterapeuta Ricardo Sasaki.

 

Pela importância do capitão no grupo, o temor em perdê-lo por um longo tempo é grande. Ainda mais com vínculo por vencer no fim do ano. Caso precise de cirurgia, nesses casos é realizada artroscopia, cuja recuperação, em decorrência de ser goleiro, pode ultrapassar três meses. Se o procedimento for mais conservador, fisioterapia e medicamento, com previsão de retorno mais rápido.

Nesta sexta-feira, Rogério participou do desfile de lançamento da nova camisa do São Paulo para a temporada. Depois de entrar na passarela com modelo criado especialmente para ele, que faz alusão a 2005, quando foi campeão mundial, foi questionado sobre sua ausência no domingo:

– Vamos fazer avaliação melhor e amanhã (sábado) vocês (jornalistas) vão ter uma resposta melhor.

Questionado sobre o motivo que o levou a se lesionar, resumiu:

– Excesso de treino, muito treino.

 

Bate-Bola

José Sanchez

Médico do São Paulo em entrevista ao LANCENET!

Quando o senhor diz que a recuperação do Rogério não é a que você esperava, o que significa?

A dor não passa, ele está com muita limitação ainda. Os goleiros normalmente têm lesões de ombro por usarem demais, mas não estamos empolgados com a evolução.

Uma cirurgia já é cogitada ou ainda é cedo para falar nisso?

Neste momento não se pode descartar nada. Ele foi submetido a exames mais específicos e só depois de analisá-los é que poderemos tomar uma decisão. É difícil por ser o Rogério, pelo momento de carreira, mas não podemos falar nada de concreto antes de olharmos isso.

E caso seja preciso operar, qual o tempo de recuperação?

Não dá para saber. Mesmo se chegarmos à conclusão que é preciso operar, antes do procedimento não posso falar quanto tempo será preciso. Isso é feito por uma artroscopia. Você abre e vê como está lá dentro. Estou sendo verdadeiro, nem positivo nem negativo. Não sei.

Então a lesão pode não ser a que vocês imaginavam no momento?

São duas lesões. Uma ligamentar e outra no labrum. Temos de torcer para que a lesão que cause as dores seja a ligamentar, porque a do labrum não tem tratamento conservador. São coisas antigas, ele já tinha, mas só acusaram agora. Não foi sábado.

Últimas lesões do capitão

2009

No início do ano, teve lesão muscular na coxa esquerda e perdeu alguns jogos. Recuperado, depois sofreu pior trauma da carreira. Teve de operar o tornozelo esquerdo e parou por quatro meses.

2010

Poupado, só não atuou em um confronto, logo no início. Teve melhor sequência de partidas da carreira.

2011

No primeiro jogo do Brasileiro teve que ser substituído após sentir a coxa direita. Se recuperou voltou em seguida. No fim do Nacional, sentiu dores no tornozelo esquerdo, mesmo que operou em 2009. Saiu em um jogo e perdeu mais dois.