Publicidade
Esportes
Craque

Sandro Viana será treinador: 'Quero resgatar nossos atletas'

Velocista vai morar nos EUA para ganhar experiência visando projeto audacioso 07/01/2013 às 09:23
Show 1
Velocista vai morar nos EUA para ganhar experiência visando projeto audacioso
Nathália Silveira Manaus

Uma nova era. É dessa maneira simples, mas repleta de expectativa que o amazonense Sandro Viana prefere definir o rumo que sua vida vem tomando. Em Manaus para matar a saudade da família e resolver algumas pendências profissionais, o medalhista de ouro no revezamento 4x100 no Pan-Americano de Guadalajara (2011) conversou com o CRAQUE e afirmou que a partir do dia 2 de janeiro mudará de endereço.

Acostumado com a ponte aérea São Paulo/Manaus, ele terá que se adaptar a terra do Tio Sam. Isso porque, o atleta olímpico seguirá para Athens, nos Estados Unidos, no começo do ano, e lá será comandado pelo treinador de renome internacional George Clarke.

“Vou aprender coisas novas e estou muito feliz. É um fôlego para minha carreira”, comentou o corredor, que mesmo sem data para retornar, já tem planos para executar na terra natal em 2013: “Meu objetivo é vir de Athens com ainda mais experiência e me tornar um manager. Irei acompanhar a carreira de vários amazonenses e vou prepará-los para 2016. Além disso, estou montando um clube aqui, o Eljinngs, que já está federado a Fedaeam”, anuncia o nortista, ansioso para ser chamado de treinador.

Confira, a seguir, o bate-papo completo com Sandro Ricardo Rodrigues Viana.

Como anda os preparativos para você ir aos Estados Unidos?
Já tirei o passaporte e durante esta semana estou indo a São Paulo para pegar meu visto. Com o visto em mão, só irei esperar o Natal e o Ano Novo, para no dia 2 de janeiro estar embarcando para Athens.

Como surgiu o convite para você ir aos Estados Unidos e o que essa ida significa para sua carreira?
Tenho contato com atletas e técnicos de fora, e Dwight já acompanhava meu trabalho e a gente sempre conversava por Facebook. Até que a alguns meses, ele perguntou se eu gostaria de ir para treinar com ele. Não pensei duas vezes e aceitei. Minha intenção lá é aprender coisas novas e trazer para cá (Manaus). Sei que lá terei a oportunidade de crescer e fazer ainda mais contatos.

Com 35 anos de idade, essa quase “reviravolta” significa um fôlego para sua carreira?
Com toda certeza. Tudo que é novo desperta curiosidade e empenho. Com esta oportunidade consigo vislumbrar muitas coisas e como nunca tive medo de desafios, resolvi encarar da melhor forma possível e aproveitar tudo!

Com novo endereço, você vai encerrar seu contrato com o Esporte Clube Pinheiros, de São Paulo?

Ainda estou em negociação com eles para tentar manter meu contrato e ajuda de custo. Até porque, quando eu retornar quero fazer o curso da IAAF (International Association of Athletics Federations) para ser treinador e vou poder contribuir com o clube. Mas já estou calejado e caso o apoio não seja possível, vou correr atrás como sempre fiz.

Então quer dizer que ano que vem Sandro Viana se tornará um técnico?!
(risos) Quero, na verdade, ser mais que um técnico. Pretendo ser uma manager e monitorar o treinamento dos atletas, passar conhecimento, apontar as necessidades e tentar saná-las, acompanhar cada passo. Mas para fazer tudo isso, já tenho um plano que estou colocando em prática.

E qual seria esse plano?
Entre muitos planos que tenho para 2013, irei a abrir um clube, o Eljjings, que já está filiado a Federação Desportiva de Atletismo do Estado do Amazonas (Fedaeam). No total, tenho 11 atletas recrutados para este clube, incluindo o uruguaio Gustavo Nicolas, que estava longe das pistas. O Nicholas é um atleta muito bom e acho interessante ter ele de volta.

Qual o seu principal objetivo com esse clube?
Meu foco é aproximar corredores de rua e atletas que estavam longe do esporte a se aproximar das pistas. O meu trabalho será voltado todo para 2016. Vou fazer com que eles participem de todas as competições do calendário. Além do Nicholas, tenho outros três atletas que são promessas na meia maratona, como a Márcia, a Geisiane, e o Dionísio. Todos eles conseguem fazer de 5 a 21km. Não quero que aconteça com eles, o que aconteceu comigo. Quero facilitar a vida deles e que eles possam sentir que podem contar comigo.

Com um clube e vários atletas para tomar conta, você deverá ficar mais em Manaus?
Ah, com toda certeza. Entretanto, não deixarei nunca de aproveitar as oportunidades. Todas que aparecerem, irei aproveitar. É uma nova era para mim e quero fazer do melhor jeito, pois sei que várias portas irão se abrir.