Publicidade
Esportes
Craque

Segredos da Muralha Azulina: CRAQUE analisa a defesa menos vazada do Barezão 2015

Com Rodrigo Ramos, Maurício Leal, Kelvin, Robinho e Luan, o Nacional está com a zaga menos vazada do Campeonato Amazonense. São apenas cinco gols sofridos em 11 jogos, seis gols a menos que o segundo colocado Fast Clube. 26/04/2015 às 14:11
Show 1
Jogadores foram os responsáveis pelo sucesso da zaga Nacionalina
Anderson Silva Manaus (AM)

Na última quinta, o Nacional superou a incrível marca de 10 vitórias seguidas ao vencer o Operário, por 4 a 0, e se tornar o clube com a maior sequência invicta em uma única edição do Barezão, na história . Se o ataque colabora e muito com os seus 26 gols, a defesa não passa em branco e merece ainda mais os “louros” pelo momento do time, por sofrer o bombardeio inimigo e ainda assim sair ileso com apenas cinco gols nos 11 jogos disputados no Amazonense.

Os segredos que rondam a “Muralha Azulina” começam a ser desvendados pelo CRAQUE, que investigou o motivo de tanta segurança na defesa do Leão da Vila.

O goleiro

O ditado popular afirma: Todo time bom começa por um bom goleiro. E o Nacional foi atrás de um dos mais vitoriosos goleiros, Rodrigo Ramos, 34, que conquistou os acessos para as Séries C e B pelo Sampaio Correa, e que tem ajudado bastante o clube amazonense.

“São números bastante expressivos, cinco gols em 11 jogos e uma defesa sólida e os adversários até tentam chegar ao gol, tanto as equipes de mais dificuldade como as de menos, e isso mostra uma equipe consolidada”, disse o goleiro, que apenas na vitória contra o Princesa, cedeu a vaga para o goleiro Wagner.

“Aqui somos todos unidos. Eu, o Wagner e o Thiago e Iuna (preparador) somos profissionais de grande qualidade e formamos uma família”, destacou o goleiro menos vazado da competição, explicando o dinamismo dos esquemas.

“Cada treinador tem seu esquema e o Sinomar (ex-treinador) valorizava muito do meio pra frente e ao mesmo tempo, é claro que jogar na frente à equipe se expunha. Com o Lana passamos a defender primeiro para depois sair para o contra-ataque. Mas isso não quer dizer que não pegaremos gols”, explicou Ramos.

Os zagueiros

Xerifão da zaga do Nacional, Maurício Leal, 27, se destaca pelos seus 1m87 e pela boa marcação. “Isso tudo é mérito do grupo, pois estamos trabalhando forte para errar o mínimo possível, pois nossa defesa começa dos atacantes e não deixa os zagueiros e volantes saírem pra jogar. Todo o time marca aí ajuda bastante a gente da defesa”, disse.

Parceiro de zaga, Kelvin, 23, citou o entrosamento como fator do sucesso na competição.

“Antes faltava um pouco de entrosamento, mas a gente foi ganhando confiança e esta aí os cinco gols sofridos”, afirmou.

Utilizado em diversas vezes no Estadual, Robinho, 29, aposta na dedicação e no entrosamento da retaguarda. “Fazem mais de cinco jogos que não sofremos um gol e isso se deve ao desempenho de cada defensor e na dedicação de cada jogo e trabalhamos muito forte para que isso acontecesse. Agora é dá continuidade até o fim do trabalho. Nosso entrosamento é que faz a diferença”, disse o zagueiro.

Utilizados em apenas um jogo, quando entrou no segundo tempo da vitória contra o Operário por 4 a 0, o zagueiro amazonense Luan também tem seus méritos. O quarteto de zaga trabalha duro nos treinamentos para se apresentar com qualidade.

“Temos trabalhos específicos que ajudam muito e, além disso, temos a qualidade individual e dedicação em buscar sempre o melhor resultado”, disse o jogador de 24 anos, que atuou no segundo tempo da vitória contra o Operário por 4 a 0.

O responsável

O técnico Aderbal Lana ressaltou o motivo da defesa ser menos a vazada.  “Nos preocupamos muito em fazer um time compacto e temos um time que ataca, mas a marcação garante que a adversário não chegue. E todos eles, Maurício Leal, Luan, Robinho, Kelvin fizeram um trabalho especial de posição com o Morgado”, destacou.