Publicidade
Esportes
Craque

Sem marketing do Verdão, Marcos espera festa de adeus

Diretoria não se programa, mas promete aposentar camisa 12 e fazer busto. E a festa para o Santo? 12/01/2012 às 10:36
Show 1
Marcos se emocionou ao falar sobre seus pais na coletiva de despedida, nesta quarta-feira
Lance ---

Um dos maiores ídolos da história do Palmeiras parou. Nesta quarta-feira, bem-humorado e emocionado, Marcos deu a entrevista do adeus agradecendo a tudo e a todos, na Academia.

A diretoria anunciou homenagens: vai aposentar a camisa 12 e fazer um busto na Arena Palestra Itália. Mas a realidade é que não fez projetos sólidos e não houve preparação para o adeus do Santo. O jogo de despedida ainda é incógnita e não deve ser tocado pelo clube.

– A gente estava se preparando. Um dia iria acontecer. Mas sinceramente me pegou de surpresa – afirmou o presidente Arnaldo Tirone.

O departamento de marketing do clube, mesmo com a previsão da despedida em 2011, ignorou o assunto. Marcos contratou Juan Rafael, ex-gerente do clube, demitido por Tirone, para cuidar de patrocínios e eventos. O Santo, por exemplo, será embaixador da Arena Palestra Itália: sua imagem será usada pela WTorre até a inauguração do estádio, prevista para abril de 2013.

O presidente sugeriu a ideia de fazer a partida de despedida sábado, contra o Ajax (HOL). Marcos vetou. Agora, Juan Rafael irá trabalhar por uma festa, até o meio do ano.

– Pensamos um monte de coisa. Talvez um Palmeiras x Corinthians de 1999, 2000. Palmeiras x Deportivo Cali. Talvez com meus amigos. Isso está tranquilo. Tem de convidar tanta gente – disse Marcos, nesta quarta.

Diretores da gestão passada fizeram um orçamento de cerca de R$ 11 mil para o busto, em 2010. Nada foi tocado. Sócios e conselheiros, agora, pensam em levantar o dinheiro.

A direção promete aposentar a camisa 12. O goleiro reserva, com a proposta, vestirá a 14. Em jogos da Conmebol (numeração vai de 1 a 25), a 12 ficará com alguém de linha.

Bate-Bola - Juan Rafael
Responsável pelos projetos de marketing de Marcos ao LANCENET!

Como surgiu esse ideia de trabalhar com Marcos e gerir a carreira dele após a aposentadoria?

Na realidade, mesmo quando eu estava no Palmeiras (era gerente de marketing do clube), já fazíamos algumas coisas para ele e ajudávamos em alguns eventos. Agora, a ideia é gerenciar toda essa parte da carreira, dos contratos com patrocinadores e em alguns projetos.

O que vocês pensam para o jogo de despedida dele?

Não posso dar detalhes, mas queremos fazer o jogo até junho. Vai ser um grande evento, com uma série de ações. Algo à altura dele.

Marcos disse que vai descansar por três ou quatro semanas agora. O que vocês planejam para quando ele retornar desse período?

A gente tem conversado e tem surgido algumas propostas. Emissoras de televisão estão querendo falar com ele. Também temos outros projetos. Já tínhamos desenhado algo para potencializar a imagem dele. No fim dessas férias, vamos ter uma posição oficial.

A ideia é vincular a imagem dele só com o Palmeiras ou terão alguns outros projetos?

Ele é o embaixador da Nova Arena, mas com certeza teremos ações não ligadas ao Palmeiras. Temos projetos para difundir a imagem de Marcos para o Brasil e o mundo. Outros clubes do exterior já solicitaram a visita dele. Agora, é a hora de estruturar o projeto Marcos.

Com a palavra - Amir Somoggi
Consultor de Marketing esportivo, ao LANCENET!

"Palmeiras não podia ser pego de surpresa"

Michael Jordan parou de jogar em 2003 e é até hoje um dos atletas que mais geram receita para a Nike. O Palmeiras não ter um plano para a aposentadoria de Marcos não é só uma indelicadeza com um ídolo deste porte, mas é desperdício de uma futura receita que o clube poderia ter.

Um plano já teria de ter sido traçado para este momento, que era anunciado: um jogo de despedida, uma linha de confecção própria, algo mais do que foi feito. No marketing, o clube está muito atrás de outros concorrentes.

Outras despedidas

Ronaldo
Em fevereiro de 2011, o atacante anunciou sua aposentadoria. Pelo Corinthians, seu último clube, não teve um jogo festivo. Mas a homenagem aconteceu pela Seleção Brasileira. O ex-camisa 9 atuou por 15 minutos em amistoso contra a Romênia, em junho, no Pacaembu. No intervalo, ele deu uma volta no gramado e foi aplaudido pela torcida.

Romário
Romário deixou os gramados em abril de 2008 e não teve despedida oficial dos clubes. Mas três anos antes, em 2005, o Baixinho recebeu uma homenagem na Seleção Brasileira. Ele participou da vitória por 3 a 0 diante da Guatemala, no Pacaembu. O atacante até marcou um gol no jogo.  
Ademir da Guia
O meia deixou os gramados em 1977, mas só teve um jogo de despedida em janeiro de  1984, quando estava com 42 anos. Na ocasião, o Palmeiras enfrentou um time formado por amigos do ex-jogador, no Canindé. Ademir atuou por 36 minutos e o público de de 11 mil pessoas. No fim, ainda recebeu algumas homenagens.

Evair e Edmundo
Dois ex-ídolos do Verdão, os atacantes não tiveram um jogo de despedida pelo clube. Vão ficar na memória.