Publicidade
Esportes
Craque

Show de Capoeira

Grupo de 80 idosos acima de 60 anos de idade mudou a vida após começar a praticar a modalidade 06/10/2012 às 17:48
Show 1
BEM ESTAR Sessão de alongamento ministrada no Ceci Aparecida
Nathália Silveira Manaus

Herança dos descendentes de escravos africanos, a capoeira é caracterizada por golpes e movimentos ágeis, que envolvem chutes, rasteiras, cabeçadas, joelhadas e cotoveladas. Mas você sabia que a capoeira pode ser praticada pela terceira idade e muitas vezes é indicada por prescrição médica? Em Manaus, um grupo de 80 idosos, acima de 60 anos de idade, faz parte do Geronto Capoeira, um programa que leva gratuitamente, através da ginga, o bem estar físico e mental para os mais vividos no  Centro Estadual de Convivência do Idoso (Ceci) da Aparecida (rua Wilkens de Matos, s/nº, Aparecida, Zona Sul), às terças e quintas-feiras das 14h às 15h.

Nos jogos, os alunos são beneficiados com uma sessão de  aquecimento, alongamento e aprendem pequenas noções de esquiva e chutes. Além disso, são envolvidos pela música e história do esporte.

“Com o tempo, o corpo de uma pessoa vai perdendo as capacidades físicas e também mentais. O ser humano deixa de ter equilíbrio, força, elasticidade e começa a ter um raciocínio mais lento. Neste cenário, a probabilidade de doenças cresce. Assim, a geronto capoeira, onde são introduzidos movimentos de ginástica e uma música remixada para soar melhor aos alunos, vem para ajudar a inverter todas essas situações. Tem muito jovem que não consegue fazer os movimentos giratórios que os meus idosos realizam”, diz o professor  Wilson Albuquerque, que desenvolve a geronto capoeira há quatro anos.

A aposentada Tereza Santos, 66,  começou a praticar a modalidade há três anos e já deu adeus às dores nas articulações. “Antes de eu fazer capoeira, me sentia sempre muito adoentada. Além das dores nos ossos, eu tinha muita depressão e ficava chorando o tempo todo. Mas, depois que comecei a praticar o esporte, me sinto viva. Agora, é só alegria”, conta, animada, dona Tereza, que não se importa de fazer uma viagem de ônibus  de 40 minutos - da Cidade Nova  à Aparecida.