Publicidade
Esportes
Velocross

Superação e adrenalina foram a tônica da terceira etapa do Campeonato Amazonense de Velocross

Terceira etapa do Campeonato Amazonense de Velocross foi repleta de disputas radicais no circuito do Tarumã, na Zona Oeste de Manaus 21/08/2017 às 14:02 - Atualizado em 21/08/2017 às 14:02
Show zcr0721 01 p01
(Foto: Márcio Silva)
Camila Leonel Manaus (AM)

O ronco dos motores das motos na 3ª Etapa do Campeonato Amazonense de Velocross, quebrava o silêncio do bairro do Tarumã. Ao todo, 86 pilotos divididos em oito baterias enfrentaram o sol da capital amazonense e levantaram poeira ao longo do circuito montado na Zona Oeste de Manaus.

A primeira bateria a acelerar foi a kids, vencida por César Filho, com o tempo de 11m40s275. Aos 10 anos, César venceu as três baterias que participou e mesmo tendo caído na largada, conseguiu reagir e sair da última colocação para ser campeão da prova. Há um ano na modalidade, ele iniciou com o incentivo do primo e segue graças ao apoio da família. “É muita emoção vencer. Na hora da largada dá um nervoso, mas é assim mesmo”, disse o piloto de 10 anos, que é treinado pela mãe, Alceli Abreu.

“É muita adrenalina e emoção. A família toda está junto e aumenta a emoção ainda mais porque eu que treino com ele.  Que Deus nos ajude e a gente chegue na final vencendo o campeonato”, declarou.
Na outra bateria, a intermediária, os mais novos também roubaram a cena. O vencedor foi Vinicius Diniz, de 14 anos, que chegou no lugar mais alto do pódio ao fazer a prova em 16m27s313. “Já participo há um tempo e está sendo bom. Na última etapa consegui o primeiro lugar com o pneu furado e nesse aqui também furou, mas a gente não desiste”, disse.

Outro protagonista foi o terceiro colocado da prova, Gregory Motta, de 12 anos. Correndo com uma moto de 65 cilindradas em meio à máquinas de 250, ele conseguiu deixar para trás atletas bem mais velhos. “É intimidador, ainda mais que são motos com cilindradas maiores, pessoas maiores”, disse Gregory, que aprendeu a modalidade aos quatro anos e sonha um dia em ser campeão brasileiro.

Bateria de Coari

A categoria street foi toda formada por pilotos de Coari. Ao todo, sete pilotos encaram 366 km para vir a Manaus. Devido ao tempo, atletas de Manaus não conseguiram entrar na bateria, que foi vencida por Saymo Lima com 16m51s933. “Vencer aqui é muito gratificante e a gente tem uma logística de viagem de barco, tem balsa para transporte chegar e fazer esse show para o público é gratificante”, explicou.

A equipe de Coari compete com motos que passam por uma adaptação de pneus, suspensão e motores. “Nós desmontamos e preparamos a moto toda para a corrida”, finalizou.