Publicidade
Esportes
Craque

‘Temos chances e vamos lutar’, dispara zagueiro do Atlético-MG Leonardo Silva em entrevista

Com a voz calma, mas firme, o autor do gol mais comemorado pela massa atleticana nos últimos anos, disse estar passando por um momento mágico 31/10/2012 às 08:03
Show 1
Leonardo Silva é zagueiro do Atlético-MG e autor do gol histórico na partida contra o Flu
André Viana ---

A qualidade do trio ofensivo do Atlético-MG é inegável. O finalizador Jô e o veloz e habilidoso Bernard, abastecidos pelos passes precisos do craque Ronaldinho Gaúcho, atormentam qualquer defesa que o Galo enfrente. Mas, se na 33ª rodada o alvinegro de Belo Horizonte é o único dos outros 19 times do Brasileirão que pode tirar o título das mãos do Fluminense, o crédito é todo do zagueiro Leonardo Silva, que na segunda-feira (29), concedeu uma entrevista exclusiva ao CRAQUE. Humilde, o autor do gol salvador aos 47 minutos do segundo tempo, na vitória épica sobre o Fluminense por 3 a 2, no domingo retrasado, prefere dividir o mérito com todo elenco. “Fiz o gol graças a visão de jogo do Ronaldo (Gaúcho). Ele colocou a bola na minha cabeça”, disse o carioca da gema, hoje completamente adaptado à capital mineira.

Diferente de alguns companheiros de time, Leonardo Silva garantiu que na partida desta quarta-feira (01) e à noite, contra o Flamengo, não haverá clima de revanche em relação ao confronto de pouco mais de um mês atrás, vencido pelo Rubro-Negro, por 2 a 1, no Rio de Janeiro. Com a voz calma, mas firme, o autor do gol mais comemorado pela massa atleticana nos últimos anos, disse estar passando por um momento mágico. O zagueiro também afirmou que vai lutar - junto com seus companheiros e o técnico Cuca - para desmentir a matemática, repetindo o feito realizado pelo líder Fluminense, em 2009. Naquele ano, o time carioca escapou milagrosamente do rebaixamento, contrariando todas as previsões. Independente do que aconteça nas últimas rodadas, a torcida atleticana guardará o time de 2012 para sempre no coração. Afinal, depois de anos de más campanhas, o Galo voltou a honrar o nome de Minas no cenário esportivo.

Revendo o seu gol contra o Fluminense, que recolocou o Galo na briga pelo título brasileiro, percebesse que a sua arrancada para o meio da área foi convicta, do tipo “essa bola é minha”, foi isso que você sentiu quando partiu para a jogada?

Não, não. Na verdade decidi ir para a área por saber que o jogo estava no fim e para dar mais uma opção para o Ronaldo (Gaúcho). Não vou dizer que sabia que a bola iria para mim, mas sabia que minha presença confundiria a marcação do Fluminense, e foi isso que aconteceu. O Ronaldo, pela qualidade que tem, me viu e colocou a bola na minha direção e, graças a Deus, eu consegui colocá-la na rede.

Ainda sente o grito de êxtase da torcida atleticana naquele fim de partida? Como foi vivenciar aquela emoção e sentir-se o responsável pela alegria da massa?

A emoção é constante a cada dia, até hoje. Quando lembro o Independência (estádio onde a partida foi realizada) vibrando, enlouquecido, eu relembro de tudo que aconteceu, foi demais. Não tem como não ficar emocionado. Um momento como aquele não dá para esquecer jamais. 

Você é um zagueiro que sempre faz gol (ele já marcou seis no Brasileirão), considera esse como o mais importante da sua carreira?

Foi um dos mais importantes. Será o mais importante se o título vier. Ele foi fundamental para conquistarmos o nosso objetivo naquela partida, que era vencer o Fluminense e encurtar a diferença de pontos existentes em relação a nós. Mas não há como negar que pelas circunstâncias da partida estar no fim, da pressão da torcida, da necessidade da vitória, ele terá um lugar de destaque independente se o título vier ou não.

Muitos criticaram a decisão da diretoria do Atlético-MG quando o clube contratou Ronaldinho Gaúcho. Chegaram a dizer que o grupo racharia, e não foi isso que aconteceu. Qual a importância da chegada dele para o Galo?

Bom, antes do Ronaldo chegar, o Atlético já tinha um elenco extraordinário e ele veio para somar. O Ronaldo trouxe toda sua experiência para o Galo, e toda sua alegria de jogar, de ser e sua arte. Ele é uma pessoa fora de série mesmo, que acrescentou ainda mais alegria ao nosso grupo. E dentro de campo, o Ronaldo dispensa qualquer comentário, é não é?

A partida contra o Flamengo, que ainda precisa de pontos para se safar do rebaixamento, é vital para as pretenções do Galo. No jogo do Engenhão, a torcida do Flamengo encarou a partida como um Fla x Ronaldinho. Acha que a torcida do Galo fará o mesmo no Independência?

Não, de maneira alguma. Nossa preocupação será apenas de vencer o Flamengo, e creio que o da torcida também. A torcida vai nos incentivar a vencer o Flamengo, a manter a distância que estamos do Fluminense para o próximo jogo. Nosso foco é a vitória, não vamos nos preocupar com outras coisas que já fazem parte do passado.

Nesta reta final, além do Flamengo, vocês enfrentarão outros dois rivais do Fluminense, acredita que isso pode ser uma vantagem, caso eles não tenham mais objetivos na competição? 

Não acredito nisso. O jogador entra em campo para vencer. A rivalidade fica entre os torcedores. Todos querem jogar bem, independente de quem seja o adversário e a posição que se encontra na tabela. Tenho certeza que esses jogos (contra Botafogo e Vasco) serão muito difíceis, mesmo porque serão no Rio de Janeiro.

Em compensação, o Fluminense receberá o Cruzeiro em casa na antepenúltima rodada, teme pelo desinteresse do Cruzeiro nesta partida?

Espero que não. Acredito que todos no Cruzeiro têm boa índole, e vão defender e respeitar a camisa do clube que defendem. Eu espero... Ninguém vai querer manchar a reputação e a grandeza de um clube entrando em campo sem jogar para vencer.

Muito tem se falado de arbitragem, em favorecimento ao Fluminense. De que forma o elenco do Atlético vê isso?

Ficamos chateados porque os erros nos prejudicaram muito, principalmente nesta reta final. Espero que nestes últimos jogos os árbitros estejam mais preparados para atuar de forma justa. Algumas equipes foram beneficiadas, isso é fato. Mas não creio em má intenção por parte dos árbitros. Agora resta torcer para que estes erros não aconteçam mais ao ponto de influenciar um resultado de campo.

As boas atuações do Galo renderam convocações para o seu parceiro de zaga, o Rever, e o goleiro Victor, acredita que será lembrado pelo Mano Menezes?

Todo jogador sonha em vestir a camisa da Seleção Brasileira, claro. Eu não vou negar que tenho esta esperança, mas pelo trabalho que o Mano Menezes está fazendo, priorizando a renovação do time para a Copa, eu não tenho muita expectativa, pois estou com 33 anos. Mas quem sabe...?

Se o título não vier, a torcida atleticana se dará por satisfeita pelo retorno à Libertadores?

No momento estamos pensando no título. Temos chances e vamos lutar por ele, mas não depende só de nós. O que posso garantir é que não faltará luta. Mas, caso ele não venha, acredito que a torcida ficará satisfeita sim, pois há muito tempo que o Atlético não disputa a Libertadores. E isso também será valorizado

Mas se o Galo for campeão, seu gol contra o Flumiense será considerado como o gol do título?

Não, não. Se o título vier todos os gols da campanha serão considerados do título. E ainda tem os que estão por vir. Tem o último... Mas, eu não tenho a menor dúvida que, se o título vier, todas as vezes que falarem da nossa campanha, meu gol contra o Fluminense será mostrado e revisto diversas vezes, como já está sendo.