Publicidade
Esportes
Craque

Volante Derlan que bateu em árbitro se diz arrependido

Derlan, de 23 anos, está afastado temporariamente do Iranduba. Julgamento na Justiça comum já tem data definida: 23 de abril. No TJD ele está suspenso por 30 dias 05/04/2012 às 18:57
Show 1
O volante Derlan, do Iranduba (AM) agride o árbitro João Batista Cunha Brito
Lance Rio de Janeiro (RJ)

O volante Derlan ficou famoso de uma forma indesejável: como protagonista da mais recente agressão a árbitro de futebol no Brasil. O jogador do Iranduba - time amazonense da cidade de mesmo nome, localizada a 25 km de Manaus - vai ficar um tempo fora do futebol, até que a situação na Justiça - tanto comum, quanto desportiva - seja resolvida.

No dia seguinte à agressão ao árbitro João Batista Cunha Brito, na partida contra o São Raimundo, o jovem de 23 anos - casado, pai de dois filhos, órfão de pai e com a mãe lutando contra um câncer - conversou com o LANCENET!. Ele se mostrou arrependido com o que fez e agora vai passar por acompanhamento psicológico para que o destempero não se repita.

- Já parei para pensar no que fiz. Estou arrependido. Não tenho nem explicação. Foram cenas lamentáveis - afirmou o jogador, que está buscando na família o apoio necessário:

- Conversei com minha mulher e minha mãe, que inclusive está passando por uma situação complicada. Minha reação foi mais porque o árbitro falou xingamentos para mim que atingiram minha família. Aí o sangue subiu.

Derlan insiste que não deu motivo a João Batista Cunha Brito para ter recebido os cartões na partida. Ele ainda condena a postura do homem do apito na partida.

- Não fiz gesto nenhum, como dizem. No primeiro amarelo, levei uma cotovelada e mostrei para ele que minha boca tava sangrando. Perguntei se o jogador que tinha me machucado não teria que levar cartão. Aí ele respondeu: "Você quer cartão, então tá aí, seu filho da p...". Isso mostra que o árbitro não está preparado para trabalhar - revelou.

Por causa da agressão, Derlan foi parar na delegacia. O árbitro registrou Boletim de Ocorrência e o julgamento já tem data marcada: dia 23 de abril. O jogador ficou cara a cara com João Batista na delegacia, mas eles não trocaram nenhuma palavra após a agressão.

AJUDA DO CLUBE

Mesmo já enrolado na Justiça comum e com grandes chances de ser punido na desportiva (o TJD-AM só espera a súmula da partida para abrir o processo), Derlan não terá o contrato rescindido. O Iranduba vai encaminhá-lo para um acompanhamento psicológico.

- O jogador não será punido. Vamos cuidar da parte psicológica dele. Ele vai ficar fora das atividades e terá acompanhamento jurídico para resolver a situação. Ele levou uma cotovelada na cabeça no jogo anterior, foi parar no hospital. Vamos ver se isso tem alguma relação - explicou o diretor de futebol Sérgio Vasconcellos.

Derlan admite temer pelo futuro da carreira. Afinal, não é comum ter uma mancha como esta no currículo. No entanto, o jogador garante ter força para dar a volta por cima.

- Temo sim pela minha carreira. Mas agora estou mais tranquilo. Quero que o que fiz sirva de exemplo para que eu mesmo e outros jogadores não repitam isso - finalizou.