Publicidade
Amazônia
Amazônia

Agricultores de Parintins participam de intercâmbio sobre piscicultura em Rio Preto da Eva, no Amazonas

O evento promovido pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), ocorrerá neste sábado (2), e no dia 7 de junho. O grupo de agricultores que fará o intercâmbio tem interesse em investir na criação de peixe em Parintins 03/06/2012 às 11:35
Show 1
Grupo de agricultores que participará do evento tem interesse em investir na criação de peixe
acritica.com Manaus (AM)

O segundo semestre deste ano vai ser o ponto de partida para, pelo menos, vinte agricultores do município de Parintins (a 369 km de Manaus). Eles participarão do intercâmbio de piscicultura neste sábado (2), e no dia 7 de junho, no município de Rio Preto da Eva (a 57 km de Manaus), promovido pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam). Os participantes têm interesse em investir na criação de peixe em Parintins. A atividade busca proporcionar troca de experiências entre os agricultores familiares que exercem atividade da piscicultura nos dois municípios.

Durante o intercâmbio os técnicos do órgão darão assistência técnica aos participantes, tirando dúvidas relacionadas ao sistema de criadouro propicio para cada espécie de peixe, racionamento e tipo de ração adequada e entre outras técnicas utilizadas na piscicultura. Além do auxilio as informações, sobre cultivo e comercialização coletiva da produção de pescado. Um novo conceito de cultivar e comercializar por meio coletivo, que vem contribuindo com incrementos de renda para os piscicultores locais.

O município de Rio Preto Eva foi escolhido por ter o maior número de tanques escavados de todo Estado, um total de 559 hectares. Nesse tipo de viveiro, a espécie tambaqui é mais indicada, principalmente por ser de melhor adaptação nessa modalidade de criadouro.

De acordo com o gerente de Apoio a Aquicultura e Pesca do Idam, Alfeu Ferraz, a criação de peixe em viveiro escavado é o mais recomendado, principalmente por ser ambientalmente correto e possuir maior controle no abastecimento e drenagem de água.

Em média, os viveiros correspondem a quatro mil metros quadrados. A atividade é considerada bastante rentável, e é uma das que mais crescem no Estado do Amazonas.

Na capital do Estado, Manaus, que também fará parte da rota, os agricultores se reunirão com o secretário de Produção Rural do Estado, Eron Bezerra, para tratar de assuntos referentes à implantação da estação de alevinos ou tanques para recepção de pós-larvas de tambaqui no município de Parintins.