Publicidade
Amazônia
Amazônia

Amazonas será contemplado com 8 mil unidades habitacionais por meio de plano do Governo Federal

A iniciativa do Governo Federal faz é parte inicial do programa de Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais, e será benéfica para os habitantes da região amazônica que sofrem anualmente com a cheia e a seca. 08/08/2012 às 16:54
Show 1
Governo Federal lança Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
acritica.com Manaus

O novo programa do Governo Federal que pretende construir 8 mil unidades habitacionais em áreas de risco no interior do Amazonas por meio do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais, foi lançado pela presidente da República, Dilma Rousseff, nesta quarta-feira (8), em Brasília.

Para atender as demandas das regiões afetadas por problemas como cheia, seca e deslizamentos de terra, o Governo Federal está disponibilizando R$ 15 bilhões aos Estados.

O vice-governador José Melo, presente no evento, informou que o Amazonas já deu entrada no Ministério das Cidades para a liberação do recurso para o inicio da construção das casas, o que está previsto para ocorrer em 30 dias.

“Esses recursos vão servir para a recomposição do que foi destruído. No Amazonas, tivemos problemas com desbarrancamento, estradas e vicinais. Além das moradias daqueles em vivem em áreas de risco”, comentou Melo.

Monitoramento constante

As ações do plano estão divididas em quatro eixos temáticos (prevenção, mapeamento, monitoramento e alerta e resposta a desastres) e prevê o mapeamento das áreas de risco e a estruturação de um sistema de monitoramento, alerta e resposta a desastres naturais. A intenção é proteger vidas, garantir a segurança das pessoas, minimizar os danos decorrentes de desastres e preservar o meio ambiente.

Durante o lançamento do programa, a presidente Dilma Rousseff disse que os investimentos que serão realizados pelo Governo Federal serão uma oportunidade para que o País possa desenvolver tecnologia. De acordo com Dilma, esta iniciativa implica em uma grande mobilização dos entes federados, além de soma de esforços das Forças Armadas e da participação solidária da sociedade.