Publicidade
Amazônia
Amazônia

Árvores são derrubadas em condomínio de luxo de Manaus

Os ramos das árvores cortadas não estavam telados e não estão na entrada principal, mas eram frondosas, e serviam para os pássaros pousarem durante a noite, de acordo com os moradores. 07/01/2013 às 20:49
Show 1
As ávores foram cortadas no início da noite desta segunda-feira (07)
acritica.com Manaus (AM)

Moradores do condomínio Ephigênio Salles, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul, criticaram a derrubada de três palmeiras do local. De acordo com eles, a derrubada impede a permanência de aves, como os periquitos de asa branca, na copa das árvores.

Em janeiro do ano passado palmeiras imperiais localizadas na entrada do condomínio foram cobertas por telas de proteção, que impediam a aproximação das aves.   

Os ramos das árvores cortadas nesta segunda-feira (07) não estavam telados e não estavam na entrada principal. As copas eram frondosas e serviam para os pássaros pousarem durante a noite, de acordo com os moradores. A equipe de reportagem foi até lá e constatou que vários pássaros estavam procurando abrigo.

De acordo com a moradora que não quis ser identificada, o condomínio não poderia fazer o corte. “Não são eles que estão invadindo o nosso espaço, somos nós que estamos invadindo o deles. Alguns moradores alegam problemas como barulho e o custo de uma palmeira. Agora eles estão tentando se alojar nas árvores do meio fio, mas não conseguem devido a movimentação da avenida”, declarou.

Procurada pela equipe de reportagem, a administração do condomínio não se pronunciou sobre o caso.

Já a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmas) informou, através de sua assessoria, que enviará uma equipe de fiscalização para o local, na manhã desta terça-feira (08) para verificar se o corte das palmeiras foi autorizado mediante laudo técnico, caso contrário, serão aplicadas punições legais.


Telas

Há cerca de um ano, as palmeiras imperiais principais que adornam a entrada do condomínio de luxo foram cobertas por telas para impedir que periquitos de asa branca pousem nas copas das árvores. Na ocasião, a Semmas se pronunciou dizendo que a  cobertura é uma medida preventiva sugerida pelo Ibama e que os periquitos que todos os dias pousam no local estariam corroendo as copas e matando as espécies”.