Publicidade
Amazônia
Cotidiano, Economia, Cheia, Açaí, Interior, Anamã

Cheia em Anamã (AM) compromete a produção rural

Grande parte da população do município depende da produção rural e da pesca. Comércio também se mostra preocupado com o impacto da enchente 17/03/2012 às 17:38
Show 1
Com a cheia, o agricultor Raimundo da Silva Batista, 48, começou a apresentar perdas na sua produção de juta
Carolina Silva Anamã

Agricultores do município de Anamã – localizado a 129 quilômetros -,  já apontam perda de produção devido ao início da cheia. Grande parte da população daquele município depende da produção rural e da pesca.

“Começamos a perder a produção no final de fevereiro e, se ocorrer essa grande cheia, não haverá como sustentar a família somente do que plantamos”, lamentou o agricultor Raimundo da Silva Batista, 48.

A agricultora Cleomar Batista da Silva, 53, também está aflita com a renda da família. Dependendo da plantação de açaí, com a chegada da grande cheia, a família terá que ficar na casa alagada temendo ter os pertences levados e por não terem para onde ir.

“Sem produção, vamos depender de ajuda para comer. Na outra cheia, em 2009, tivemos que esperar por uma cesta básica pra ter o que comer. Não tínhamos para onde ir por falta de condições. Rezo todos os dias para Deus nos livrar desse mal”, relatou Cleomar.

Estoques
Temendo a grande perda de mercadorias, igual a que teve em 2009, a comerciante  Irlanda Cordeiro, 36, já não está mais abastecendo o estoque de seu mercadinho localizado na rua Leônidas José Rodrigues.

Poucas mercadorias preenchem o vazio das prateleiras do comércio.

“Perdemos muito estoque quando teve aquela grande cheia. O prejuízo foi alto. Com a triste experiência que tivemos  já não podemos nos arriscar”, conta Irlanda.

Ao lado da casa deles, a preocupação do casal Ketiane e Nicódemes Linhares, proprietários da Padaria Popular, também é a mesma.

“Mesmo com aquela grande cheia ainda continuamos funcionando. Atendia os clientes em cima das marombas. Se Anamã for tomada pela água novamente, não sabemos  se vamos ficar aqui. Não tem condições para manter o estabelecimento aberto”, disse Nicódemes.

Deslocamento
A Prefeitura de Anamã chegou a propor, em 2009, o deslocamento da cidade para uma área de terra firme. O projeto foi abandonado, mas o governo municipal pretende retomar as discussões se o município vir a ser atingido, como em 2009.

No projeto que, se aprovado, deverá ser executado a longo prazo, os prédios municipais de Anamã seriam reconstruídos na área chamada de Gravetão, que fica a 10 quilômetros da atual localização do município.