Publicidade
Amazônia
Amazônia

Conab paga R$ 453 mil por produtos extrativistas em 2012

O preço mínimo do quilo do látex de borracha é taxado em R$ 3,91 e do quilo do açaí (caroço) vendido a R$ 0,92 03/01/2013 às 08:47
Show 1
Os produtos amparados pela Política de Garantia de Preço Mínimo (PGPMBio) foram borracha (501.31 kg) e açaí (59.064 kg), além da castanha da Amazônia e a piaçava
Cinthia Guimarães Manaus, Am

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) pagou, em 2012, R$ 453.579,44 em subvenção de produtos extrativistas a 1.113 trabalhadores do Amazonas. Os produtos amparados pela Política de Garantia de Preço Mínimo (PGPMBio) foram borracha (501.31 kg) e açaí (59.064 kg), além da castanha da Amazônia e a piaçava, que não necessitaram de subsídio nesse ano. Mas a Conab espera que em 2013 outros produtos passem a ser amparados pelo programa de subvenção, como o cacau nativo e o pirarucu de manejo.

“Estamos pleiteando que esses produtos entrem na lista, porque observamos que em determinado no momento eles não são bem remunerados pelos compradores. Daí o governo precisa incluir, fazer preço mínimo”, explicou o superintendente da Conab/AM, Thomaz Antônio Perez da Silva.

O preço mínimo do quilo do látex de borracha é taxado em R$ 3,91 e do quilo do açaí (caroço) vendido a R$ 0,92. Thomaz disse que a Conab não pagou subvenção da castanha porque o produto tem tido um bom apelo do mercado, que está pagando acima do preço mínimo. “Em relação à piaçava da região do Alto Rio Negro, os extrativistas não estão recebendo dos compradores e atravessadoras o preço mínimo, ninguém está conseguindo chegar neles”, informou.

 (A Íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).