Publicidade
Amazônia
Amazônia

Descarte ilegal de óleo é denunciado por moradores do Iranduba

Segundo os moradores, desde que uma empresa termelétrica foi construída no local, cerca de dois anos, o descarte de óleo é constante no solo 05/12/2012 às 08:52
Show 1
Moradores dizem que óleo despejado diretamente no solo sai desta tubulação contruída pela produtora independente
Florêncio mesquita ---

que está sendo causada, segundo eles, pela termelétrica Iranduba, no município de mesmo nome. A subestação da Eletrobras Amazonas Energia é administrada pela empresa terceirizada do grupo EBrasil Norte que conforme os moradores está descartando óleo diesel, óleo queimado, além de produtos químicos usados na limpeza de motores no terreno onde moram dez famílias.

Segundo os moradores, desde que a termelétrica foi construída no local, há dois anos, o descarte de óleo é constante no solo. O problema já afetou a vegetação e matou árvores que ficam no caminho do descarte do material. “Um pé de taperebá, outro de limão e de tangerina morreram porque a base deles foi coberta de óleo”, disse um morador. Segundo o site da empresa, a usina termelétrica de Iranduba tem potência de 55 megawatts (MW).

Os moradores mostraram uma tubulação de esgoto que sai da termelétrica e pára no meio do terreno onde eles moram. O último episódio de descarte de óleo ocorreu há uma semana. Apesar da chuva do último fim de semana ter reduzido os resíduos no solo, ainda é possível ver restos de óleo e algo que chama atenção é o forte cheiro de diesel.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).