Publicidade
Amazônia
Amazônia

Desinformação e problemas no Batalhão Ambiental colaboram para morte de animais no AM

Uma solução apontada para que crimes contra a fauna e a flora, como os ocorridos em Itacoatiara, não fiquem impunes é a criação de uma Delegacia e Promotoria no Amazonas 27/06/2012 às 14:05
Show 1
O jacaré ferido estava próximo a frente de Itacoatiara e ficou preso na passarela do Cais do Porto; um dos pescadores conseguiu puxá-lo com um anzol, por conta da fraqueza do animal
acritica.com Manaus

A falta de informação da população e de estrutura do Batalhão Ambiental do Estado reflete no resgate de animais, no Amazonas. Após ser capturado e sofrer maus-tratos, um jacaré açu com aproximadamente 4 metros, foi morto por moradores do município de Itacoatiara na noite dessa segunda-feira (25). O Batalhão só foi à procura do animal na manhã desta terça-feira e constatou que ele havia “sumido”.          

Para a coordenadora da lista Cachorreiro de Manaus e membro do Grupo de Proteção aos Animais, Erika Schloemp, o problema está na aparelhagem do Batalhão Ambiental e da DEMA, que não supre mais as necessidades do Estado. Os problemas enfrentados pelo Batalhão foram denunciados em matéria publicada pelo Portal acritica.com.

A falta de informação da população também é peça chave para a proteção da natureza. “As pessoas precisam ser informadas sobre os órgãos responsáveis que atuam nesta área do Meio Ambiente”, disse.

Antes de ser morto, o jacaré passou por uma verdadeira sessão fotográfica. Populares ignoraram os maus-tratos e o estado de saúde do animal – ferido na cabeça – , e deixaram de prestar assistência ao réptil.


De acordo com Michele Alves, agente ambiental da Secretaria de Meio Ambiente em Itacoatiara, o órgão só recebeu a informação sobre a captura do jacaré na manhã desta terça-feira (26), pelo Batalhão Ambiental. Quando foram até o local para verificar a ocorrência, o jacaré não foi encontrado.  “Quando este tipo de captura acontece, nem sempre somos informados. Também parte da população a iniciativa de proteger o meio ambiente”, declarou.

Investigação

Conforme o responsável pelo policiamento Ambiental no Estado, Major Flávio Diniz, o crime será investigado pela Delegacia Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente (DEMA), onde será aberto um inquérito para punir os responsáveis pelos maus tratos ao animal.

Ainda de acordo com a agente, esclarecimentos poderão ser prestados pela secretaria municipal do meio ambiente Késia Maia Garcia, nesta quarta-feira (27).

Pena para maus tratos

O anteprojeto para o novo Código Penal aprovou, no último mês, o aumento de pena para abuso ou maus tratos a animais domésticos, silvestres e exóticos. A pena para este tipo de crime é de um a quatro anos de prisão, além da multa. Para morte, a pena pode chegar a seis anos.

Delegacia Especializada

Uma solução apontada para que crimes contra a fauna e a flora, como os ocorridos em Itacoatira, não fiquem impunes é a criação de uma Delegacia e Promotoria no Amazonas.

 “Estamos aguardando a criação de Delegacia e Promotoria Especializada em Crimes contra Fauna anunciadas pelo Deputado Ricardo Nicolau, como passíveis de serem criadas ainda este ano. Para que a fauna seja tratada com prioridade na fiscalização e no atendimento”, declarou Erika Schloemp.