Publicidade
Amazônia
No Amazonas

Doutora em Matemática usa lógica ‘fuzzy’ para combater doença de Chagas no AM

Silvia Dias de Souza desenvolve pesquisa que usa teoria matemática para elaborar modelo capaz de descrever a proliferação das Chagas e de possíveis surtos da doença no Estado 14/05/2016 às 13:16 - Atualizado em 14/05/2016 às 13:22
Show 1082765
(Foto: Divulgação/Fapeam)
ACRITICA.COM

Descrever a proliferação da doença de Chagas e prever possíveis surtos da enfermidade na região Amazônica utilizando a lógica fuzzy é o desafio da matemática Silvia Dias de Souza. Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), ela desenvolve uma pesquisa que usa a teoria matemática para elaboração de um modelo capaz de descrever a proliferação da doença no Estado.

Os dados do estudo indicarão como ocorre a propagação da doença, quais regiões necessitam de cuidados e auxiliarão a estimar possíveis epidemias. “O principal resultado a ser alcançado será entender como funciona a dinâmica populacional do agente causador da doença e prever como a mesma se comportará futuramente”, disse a pesquisadora.

O que é a Chagas

A doença de Chagas é uma doença infecciosa febril causada pelo protozoário trypanosoma cruzi. A enfermidade é adquirida por meio do contato direto com as fezes do inseto conhecido como “barbeiro”.

Segundo a pesquisadora, a lógica fuzzy é uma teoria matemática que serve para modelar situações em que a incerteza encontra-se presente. “Por exemplo: Siga em frente alguns metros; preciso perder alguns quilos. A mente humana raciocina, na maioria das vezes, de maneira inexata”, explicou a doutoranda em Matemática Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), de São Paulo.

O estudo utiliza o modelo matemático para investigar como se dá a proliferação da doença, especialmente, em municípios do Amazonas. Os casos mais recentes foram registrados em Carauari, situado no rio Juruá. “A lógica nebulosa entra para modelar os dados de entrada como temperatura, meses do ano e etc”, contou Silvia.

A pesquisa, realizada no âmbito do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-graduados do Estado do Amazonas (RH-Doutorado) da Fapeam, deve ser concluída em 2018.

Prevenção

Usar mosquiteiros ou telas metálicas para evitar a entrada do barbeiro nas casasa é uma das formas de prevenção. O Ministério da Saúde também recomenda o uso de medidas de proteção individual (repelentes, roupas de mangas longas etc) durante atividades noturnas na mata.