Publicidade
Amazônia
Amazônia

Encontro em Manaus discute ‘El Niño’ e ‘La Niña’

Mais de 120 especialistas se reúnem a partir desta terça-feira (8) n a cidade para tratar desses fenômenos na região 08/05/2012 às 11:35
Show 1
Visão aérea do Município de Eirunepé, um dos que sofrem com a enchente deste ano na região amazônica
CAROLINA SILVA Manaus

A partir desta terça (8) e até sexta-feira, mais de 120 especialistas internacionais se reúnem em Manaus para discutir os fenômenos que influenciam a hidrologia da região do Amazonas. As discussões vão permitir melhorias nas políticas públicas do Estado tendo em vista amenizar as consequências dos períodos de cheia e da vazante dos rios. O encontro será durante o Workshop Internacional sobre Hidrometria. Neste ano, o Brasil foi escolhido para sediar o evento que está sendo realizado em Manaus pela Secretaria de Estado de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos (SEMGRH).

Os reflexos dos fenômenos El Niño e La Niña, na dinâmica dos rios que formam a bacia hidrográfica do Amazonas, será o foco principal do evento, tomando por base a ocorrência da grande cheia no ano de 2009, quando o nível do rio Negro atingiu a cota de 29,77 metros, e da sétima pior vazante (seca) registrada no ano de 2005, fenômeno que deixou mais de 150 toneladas de peixes mortos.

“Vamos fazer um comparativo com rios de outros países e a partir daí entender como esses fenômenos - El Niño e La Niña - em um curto espaço de tempo provocam situações críticas em nosso Estado”, explicou a secretária-executiva da Mineração, Jane Crespo.

O El Niño é um fenômeno causado pelo aquecimento das águas do Pacífico além do normal e que provoca precipitações (chuvas) e secas anormais em todo o mundo. Já a La Niña ocorre em decorrência do resfriamento anormal das águas do oceano Pacífico, provocando o aumento nos índices pluviométricos.

“Por muitas vezes especialistas se voltam para os estudos da escassez de água, isto é, para a seca. Mas a abundância, que é o que estamos acompanhando no momento, sempre foi deixada de lado. É importante avaliarmos isso por conta de condições econômicas, sociais, de saúde entre outras que são afetadas”, ressaltou.

De acordo com a secretária-executiva, os resultados das discussões serão divulgados para a sociedade e, ainda, acrescentados ao Plano Estadual de Recursos Hídricos. A partir das avaliações das influências dos fenômenos El Niño e La Niña na bacia hidrográfica do Amazonas também será elaborado um plano de contingência de curto, médio e longo prazo.

“É importante destacar que a cheia dos rios e a vazante são fenômenos naturais e não temos como evitá-los, mas podemos minimizar os prejuízos.  No período da cheia, a população muda sua rotina dentro de casa porque constrói as marombas e na seca o transporte fluvial é prejudicado. Então, tudo isso deve ser avaliado do ponto de vista da influência desses fenômenos”, destacou.

O Workshop Internacional sobre Hidrometria em Manaus está sendo realizado em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA) e a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Segundo a Secretaria de Estado de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos, os resultados do workshop também irão “servir de orientação para nortear a gestão dos recursos hídricos pelo Governo Estadual”. O evento irá discutir, ainda, temas como qualidade das águas e gestão de aquíferos (reservatório de águas subterrâneas).