Publicidade
Amazônia
Amazônia

Estimativa de cheia recorde no Amazonas

Subindo cinco centímetros, em média, diariamente, rio Negro precisa apenas de 22 dias para superar a cheia recorde de 2009 20/04/2012 às 07:27
Show 1
Subindo cinco centímetros, em média, diariamente, rio Negro precisa apenas de 22 dias para superar a cheia recorde de 2009
CAROLINA SILVA Manaus

A cota do rio Negro pode atingir o nível recorde de 2009 ainda no início do mês de maio. É que, de acordo com a Estação Hidrológica do Porto de Manaus e com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) no Amazonas, o nível das águas está subindo, em média, cinco centímetros diariamente. Nessa quinta-feira (19), a cota chegou em 28,65 metros, faltando apenas 1,12 metro para alcançar a máxima registrada em 2009, que foi de 29,77 metros.  No dia 19 de abril de 2009, a cota do rio Negro foi de 28,35 metros. Sendo assim, a maior cheia da região pode ser confirmada em até 22 dias, isto é, no próximo dia 11 de maio.

De acordo com o CPRM, a última cheia recorde foi confirmada no dia 1º de julho de 2009 e além da grande cheia em 1989, que também foi confirmada no mesmo mês, as outras foram confirmadas pelo órgão no mês de junho. Se a cota do nível do rio Negro chegar a 29,78 metros no dia 11 de maio, uma cheia recorde no Amazonas pode ser registrada com 51 dias antes da data da última confirmação registrada há três anos.

Na última terça-feira, o secretário executivo de Ações de Defesa Civil no Amazonas, tenente-coronel Roberto Rocha, chegou a afirmar que essa enchente de 2012 é preocupante pois a subida dos rios tem apresentado características diferentes em relação a 2009.

“Naquele ano não tivemos esse volume todo de água, por exemplo, no Alto Solimões. Nós estamos também novamente preocupados com o rio Juruá que voltou a subir novamente, sendo que já era ter parado no final do mês de março”, comentou.

A possibilidade de uma cheia recorde também tem preocupado a população de Manaus. Na manhã dessa quinta (19), moradores das margens do igarapé do 40, no bairro Raiz, Zona Sul de Manaus, se aglomeravam numa longa fila para organizar um abaixo-assinado que deverá ser encaminhado à Defesa Civil do Município na próxima segunda-feira.

A Defesa Civil do Município informou que a cheia na capital já atingiu sete áreas: a Bacia do São Raimundo, Aparecida, São Jorge, Educandos, Glória, Raiz e Presidente Vargas (comunidade do Bairiri).

No Município de Iranduba (a 25 quilômetros de Manaus), a Estrada da Várzea está com, aproximadamente, 400 metros de sua extensão alagada devido à cheia do rio. Alguns vendedores ambulantes já abandonaram as barracas que ficam às margens da via.

28,65 metros foi a cota do nível do rio Negro registrada nessa quinta (19) pela Estação Hidrológica do Porto de Manaus e confirmada pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Os próximos alertas de cheia serão divulgados nos dias 30 de abril e 31 de maio.

De acordo com a Defesa Civil do Estado, até hoje, 27 municípios atingidos pela cheia dos rio Juruá, Purus, Solimões e Madeira decretaram situação de emergência. A estimativa é de que, ao todo, 31 municípios do interior sejam afetados. A Divisão de Meteorologia do Centro Regional do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) informou que até junho está previsto chuvas em abundância.