Publicidade
Amazônia
Amazônia

Estudo pretende fabricar pó de frutas amazônicas para consumo no exterior

Açaí, buriti, camu-camu, guaraná e cupuaçu passarão pelo processo de liofilização e serão distribuídos, em pó, para comercialização nos EUA e Europa 21/01/2016 às 14:14
Show 1
A previsão é que até 2017 o pó das frutas também seja comercializado com países asiáticos
ACRITICA.COM ---

Os micro-empreendedores do Amazonas com apoio do governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) estão transformando açaí, buriti, camu-camu, guaraná e cupuaçu em pó para comercialização nos Estados Unidos e na Europa. A previsão é que até 2017 o pó das frutas também seja comercializado com países asiáticos.

A fabricação do pó das frutas está sendo realizada pela empresa Nativa Amazon em parceria com a Incubadora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) com recursos no âmbito do Sinapse da Inovação da Fapeam.

"A ideia de desenvolver o projeto de pesquisa e fabricar o pó das frutas surgiu a cinco anos por meio do idealizador do estudo que, durante viagens, observou um nicho de mercado ainda não explorado devido a alguns problemas que não tinham solução aparente, como é o caso da conservação das frutas. Em 2015, ele reuniu um grupo de profissionais para trabalhar nessa ideia e o Sinapse surgiu em boa hora", disse o consultor do estudo Orivaldo Lacerda Júnior.

Polpa em pó

Segundo Orivaldo Lacerda, o projeto adquire as frutas com produtores locais do Amazonas, visando estímulo à economia local. Depois, é feito o despolpamento das frutas e os testes de parâmetros de qualidade. Em seguida, os pesquisadores utilizam o método de liofilização que consiste na transformação da polpa em pó.

De acordo com ele, a liofilização consiste, basicamente, em uma ação de desidratação feita por um equipamento específico, a liofilizadora, utilizado para preservar alimentos perecíveis e princípios ativos. Neste processo, os produtos são congelados e a água é retirada por sublimação, quando uma substância em estado sólido passa para o estado gasoso sem contato com a água. “A ausência da água inibe a ação de microrganismos e das enzimas que, normalmente, estragam ou degradam a substância”, disse.

Após a fruta passar pela liofilizadora, outros testes foram realizados para garantir que o processo foi eficiente. Por fim, a fruta em pó é embalada e está pronta para comercialização. Orivaldo Lacerda informou que o grupo de pesquisadores está realizando outros testes para verificar a qualidade do produto final.

“Esperamos que este projeto de pesquisa traga um grande impacto sobre a forma de consumo das frutas nesses países e que a comunidade científica possa aliar, cada vez mais, a técnica que utilizamos como forma de beneficiar os alimentos”, disse o consultor.

Ideias inovadoras

O Programa Sinapse da Inovação é uma iniciativa do governo do Amazonas via Fapeam em parceria com a Fundação Certi. Os projetos compreendem ideias inovadoras que se destacaram ao longo das fases do Programa.

Ao final das etapas, 40 projetos foram selecionados dentre as 1.188 propostas submetidas. Os 40 empreendimentos receberão o aporte financeiro de R$ 50 mil como subvenção econômica para transformar ideias em negócios de sucesso. Ao todo, os recursos alocados ao Sinapse são da ordem de R$ 2 milhões.

*Com informações da assessoria de imprensa