Publicidade
Amazônia
Amazônia

Indígenas do alto rio Negro recebem assessoria do Governo do Amazonas para concorrer a edital do BNDES em projeto de piscicultura

Membros do Bando Nacional de Desenvolvimento visitaram comunidades indigenas no município de São Gabriel da Cachoeira, no interior do Amazonas, para conhecer projeto de psicultura desenvolvido na região. 13/07/2012 às 20:39
Show 1
Psicultura indígena em São Gabriel da Cachoeira
acritica.com Amazonas

Uma comitiva do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) esteve esta semana em São Gabriel da Cachoeira - 858 quilômetros de Manaus, para conhecer projetos importantes desenvolvidos pela Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro (FOIM) e parceiros, naquela região do Estado. Um deles é o Wayury (trabalho coletivo para benefício familiar, na língua Baré), que recebe assessoria técnica do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado para os Povos Indígenas (Seind).

A proposta de projeto foi apresentada aos técnicos do BNDES por um dos diretores da Foirn, Luiz Brazão, para concorrer ao edital lançado pela instituição que vislumbra a obtenção de recursos do “Fundo Amazônia”. Até o próximo dia 26, a proposta será encaminhada para ser submetida à análise do banco.  

O projeto Wayury visa desenvolver, em 36 meses, a piscicultura nas comunidades das cinco Terras Indígenas demarcadas e homologadas do alto rio Negro, em parceria com instituições públicas. A meta é enfrentar e amenizar a escassez de alimentos (peixes), além da baixa geração de renda na localidade. “A Seind tem a função de assessorar tecnicamente na elaboração da proposta e na execução do projeto. É o nosso compromisso, enquanto governo, com nossos irmãos indígenas”, destacou o titular da secretaria, Bonifácio José Baniwa. “Acompanhamos todo o processo administrativo do projeto e a gestão dele. A equipe do BNDES ficou otimista com a proposta”, acrescentou o técnico do Departamento de Etnodesenvolvimento (Detno) do órgão, Ronisley Martins.

Famílias beneficiadas

Com o projeto Wayury e a apresentação de outro projeto, intitulado Manakai (para bem viver, em Baniwa), que é desenvolvido pela Coordenadoria das Associações Baniwa e Coripaco (CABC), a previsão é de que 16 mil indígenas do alto rio Negro sejam beneficiados com os recursos do BNDES.

Entre os beneficiados estão indígenas dos povos Baniwa, Coripaco, Tukano, Tariano, Piratapuia, Wanano, Hupda, Arapasso, Miriti, Tapúia, Tuyuka, Baré e Dessana, das regiões de Iauaretê, médio e baixo Uaupés, alto rio Negro, Foz do Xié, Foz do Curicuriari e médio Içana.


Fundo Amazônia

O Fundo Amazônia foi criado pelo BNDES em 2008, com a finalidade de promover projetos de prevenção e combate ao desmatamento, bem como a conservação e uso sustentável da floresta. A inscrição do projeto da Foirn atende à Chamada Pública de Projetos Produtivos Sustentáveis, que tem por objetivo selecionar propostas candidatas a obter apoio financeiro não reembolsável para o desenvolvimento de atividades econômicas de uso sustentável da floresta e da biodiversidade, conforme a finalidade, regras e diretrizes do Fundo Amazônia.