Publicidade
Amazônia
Amazônia

Inpa negocia parceria para produção de dez projetos desenvolvidos na Amazônia

Em 2011, foram nove produtos enviados pelo Inpa para receber proteção do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) 08/03/2012 às 12:01
Show 1
O processo da pupunha é um dos que foi patenteado pelo Inpa
acritica.com ---

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) está em negociação com três investidores do estado do Rio de Janeiro para produção em larga escala de aproximadamente 10 tecnologias desenvolvidas pelo Instituto.

Eles representam a empresa Z7Zoe e estão interessados em produzir tecnologias desenvolvidas pelo Inpa nas áreas de cosméticos, saúde e fitoterápicos.

“Desde o princípio, a empresa foi pensada no sentido de dar sustentabilidade e um apoio à saúde de maneira orgânica e daí imaginamos que as plantas e sementes e tudo que nós temos na Amazônia, de grande riqueza vegetal, pudessem ser o carro chefe da empresa. A produtividade da matéria prima sempre será feita no estado beneficiando a comunidade”, explica José Antonio Silva Lino, um dos investidores.

Lino afirma que o interesse surgiu depois de conhecer o que o Inpa desenvolve por meio de divulgação. Após os primeiros contatos, iniciou o processo de estudos e negociação de algumas tecnologias desenvolvidas pelo Instituto. O início da produção depende da finalização dessas negociações.

A coordenadora de Extensão Tecnológica e Inovação (CETI) do Inpa, Rosangela Bentes, ressaltou que a procura é um reflexo das divulgações das atividades que o Inpa realiza. “Porque a idéia é exatamente essa: divulgar essas tecnologias que foram desenvolvidas com o objetivo de atrair e estimular investidores, micro e pequenas empresas para apresentar as possibilidades de licenciamento, bem como o apoio que o governo disponibiliza para as empresas que querem investir em produtos de base tecnológica, e isso tem ocorrido constantemente."

Segundo ela, o Inpa já recebeu propostas de outras empresas com interesse de firmar parcerias, diante das patentes do órgão.

"O retorno que estamos tendo em ter em nossa rotina de trabalho a efetiva interação com investidores e empresários para negociar e entender sobretudo a necessidade do mercado de seu seguimento, além de apresentar as tecnologias e a cadeia de acesso à matéria prima, e por fim transferir para eles da melhor forma as  tecnologia. Temos a sinalização das empresas para interesses de ter parceria com o Inpa nessa questão de patente”, ressalta Bentes.

Parcerias anteriores

No ano passado, o Inpa assinou o contrato de transferência de tecnologia para o uso das patentes para as empresas Biozer da Amazônia e Néctar Frutas da Amazônia, com sede em Manaus. As empresas irão utilizar as patentes dos pesquisadores para formularem novos produtos a partir dos processos desenvolvidos pelo Instituto. 

Outra parceria realizada foi com a empresa Knorr Produtos Técnicos, incubada pelo Inpa, que prevê a produção de corantes naturais por meio de resíduos sólidos, flores e plantas rasteiras. Os corantes serão usados em couros, plásticos injetáveis e solados de sapatos. A empresa, sediada no estado do Rio Grande do Sul, já trabalha na produção de corantes para estofamento de carros utilizando substâncias da biodiversidade.