Publicidade
Amazônia
Amazônia

Instituto Mamirauá lança livro sobre estatísticas do desembarque pesqueiro

Segundo Pollianna Ferraz, uma das autoras da publicação, o Instituto Mamirauá vem mantendo coletas diárias nos portos de Tefé e Alvarães, com pequenas interrupções ao longo desses 16 anos 20/10/2012 às 10:24
Show 1
Frequentemente o Ipaam tem apreendido pescado ilegal em Mamirauá
acritica.com Manaus

O Instituto Mamirauá lança hoje, em Tefé (AM), o livro "Estatística do Monitoramento do Desembarque Pesqueiro na Região de Tefé - Médio Solimões". A publicação é um registro da produção pesqueira dos anos de 1992 a 2007, e tem por objetivo contribuir para o ordenamento pesqueiro da região e subsidiar pesquisas para a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais.

Segundo Pollianna Ferraz, uma das autoras da publicação, o Instituto Mamirauá vem mantendo coletas diárias nos portos de Tefé e Alvarães, com pequenas interrupções ao longo desses 16 anos. "A coleta permitiu uma análise da proveniência do pescado, dos apetrechos e embarcações utilizados na pesca, e das principais espécies desembarcadas nos municípios pesquisados", afirmou Pollianna.

O sistema de monitoramento do desembarque pesqueiro foi implementado na cidade de Tefé em 1991, com o intuito inicial de avaliar o impacto da criação de uma unidade de conservação, a então Estação Ecológica Mamirauá, no abastecimento de pescado dos municípios do entorno: Tefé e Alvarães.  As análises registraram uma produção pesqueira, no município de Tefé, de 30.208 toneladas. Em Alvarães, a produção foi de 1.285 toneladas no período de 1992 a 2004.

A comercialização de pescado, vindo das Reservas Mamirauá e Amanã, diminuiu significativamente, representando 19%, em média, da produção desembarcada em Tefé, e 40% no município de Alvarães. "Essa redução não prejudicou o abastecimento, e possivelmente a criação de áreas protegidas contribui para o aumento das populações de peixes, beneficiando as áreas de entorno", afirmou Polliana.   

O barco pesqueiro foi o tipo de embarcação mais utilizado, representando 48% dos desembarques de peixes no porto de Tefé, de 1992 a 2007. Em Alvarães, a canoa rabeta (embarcação que possui um motor de pequeno porte, variando entre 3,5 e 5,5 cavalos) foi utilizada em 64% das pescarias entre os anos de 1992 a 2004.  

As principais espécies desembarcadas no porto de Tefé foram o jaraqui-escama-grossa, seguido do curimatá, aruanã, tucunaré, entre outros. Em Alvarães, algumas das espécies com maior importância relativa foram tambaqui, jaraqui-escama-grossa, curimatá, aruanã, tucunaré.

O lançamento do livro é uma das atividades desenvolvidas pelo Instituto Mamirauá, durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em Tefé (AM). Informações sobre a distribuição poderão ser adquiridas no e-mail pesca@mamiraua.org.br.