Publicidade
Amazônia
Amazônia

Mais de mil famílias indígenas vivem sem registro em Manaus

Primeira Ação de Cidadania para índios em Manaus acontece amanhã, no Centro de Convivência do Idoso, em Aparecida 03/05/2012 às 07:42
Show 1
Falta de documentos básicos impede acesso a programas e benefícios
jornal a crítica Manaus

Ao menos 1,3 mil famílias indígenas, residentes em Manaus, não possuem Registro Civil ou documentos básicos, que permitem o acesso à cidadania e aos programas de transferência de renda do Governo Federal, como o Bolsa-Família.

A constatação foi feita por um trabalho de pesquisa executado por um grupo de oito indígenas de diferentes etnias, realizado no período de julho a novembro de 2011, sob a coordenação da Secretaria de Estado Assistência Social e Cidadania (Seas), junto a 1,9 mil famílias indígenas.

Por conta disso, o Governo do Amazonas, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), promovem amanhã, das 8h às 15h, no Centro de Convivência do Idoso, bairro Aparecida, Zona Sul, a 1ª Ação de Cidadania para índios residentes em Manaus.

De acordo com a secretária executiva adjunta da Seas e coordenadora do Cidadania, Direito de Todos, Nádia Lúcia da Costa Soares, o objetivo do evento é reduzir o índice do sub-registro civil de nascimento dos indígenas residentes na cidade de Manaus e entorno.

Durante a ação serão oferecidos serviços de emissão do Registro Civil de Nascimento, carteiras de Identidade e Trabalho, CPF, alistamento militar e previdência social.

O conselheiro do CNJ, Ney José de Freitas, estará acompanhando os atendimentos. A expectativa é realizar mais de mil atendimentos. Esta é a primeira vez que este tipo de Ação de Cidadania Indígena é realizado no Estado.

Em Maués (a 257 quilômetros de Manaus), os indígenas não estão conseguindo tirar o Registro de Nascimento Indígena (Rani) por falta de material de expediente. O deputado estadual Sidney Leite (DEM), que é vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Assuntos Indígenas da Assembleia Legislativa, denunciou o caso na tribuna, ontem, e afirmou que vai entrar com uma ação junto ao Ministério Público Federal (MPF), para que a situação seja apurada. Segundo gestor da Fundação Nacional do Índio (Funai), Samuel Lopes, cerca de 2 mil indígenas estão sem conseguir retirar o registro no município, atualmente.

A Casa de Saúde Indígena de Maués  está em situação  de abandono e sem estrutura há vários meses, segundo o deputado Sidney Leite. Ele encontrou 40 pacientes com diversos tipos de doenças, aglomerados junto aos acompanhantes, em um espaço improvisado, com banheiros sem condições de higiene e alimentação inadequada.