Publicidade
Amazônia
Amazônia

Morte de agricultores no sul do AM é tema de audiência

Defensor Marco Aurélio vai acompanhar debate público sobre a morte do líder dos agricultores Nardélio Gomes 25/02/2012 às 16:39
Show 1
Nardélio(de chapéu) era presidente da Associação dos Produtores Rurais e Pecuaristas de Santo Antônio do Matupi
Antônio Ximenes Manaus

A morte do líder dos trabalhadores rurais Nardélio Delmiro Gomes, assassinado no dia 30 de novembro do ano passado, e os conflitos fundiários  no Sul do Amazonas serão discutidos em uma audiência pública no Fórum de Humaitá, nesta segunda-feira (27), com a participação do defensor público Marco Aurélio.

“Estou indo de Manaus para acompanhar o processo em Humaitá. Vou tomar conhecimento de como anda o processo e da fase em que se encontra”, afirmou o defensor. “Também vou conversar com os familiares da vítima para saber o que eles estão precisando da Defensoria Pública do Estado. Fui convocado pelo meu defensor-geral, Ricardo Trindade, para acompanhar este processo”, completou.

A morte de Nardélio Gomes chocou a opinião pública do distrito de Santo Antônio do Matupi, no km 180 da rodovia Transamazônica, no Município de Manicoré. Ele era o presidente da  Associação dos Produtores Rurais e Pecuaristas de Santo Antônio do Matupi  (Aspromat) e liderava mais de mil produtores rurais da região, uma das mais fortes na produção de carne bovina para corte (é o quarto rebanho do Estado, com mais de 145 mil cabeças).

“Nós ficamos arrasados e estamos sentindo uma falta enorme do nosso líder. Mas não podemos esmorecer. Vamos até o fim e queremos que o acusado de ter matado o Nardélio  seja julgado e a justiça seja feita como manda a lei”, disse o atual presidente da Aspromat, Eduardo Gervásio, que substitui no cargo o colega assassinado.

Acusado
O agricultor Paulo Sérgio Teixeira Fideles, acusado pelo assassinato de Nardélio Gomes, está preso. Ele se apresentou espontaneamente depois de ter ficado várias semanas foragido da polícia, que não conseguiu prendê-lo, mesmo com o cerco realizado em todas as saídas de Humaitá e em outros municípios do Sul do Amazonas, como Manicoré, Apuí e até mesmo nas cercanias de Lábrea.

A presença do defensor público na audiência de Humaitá foi uma demanda de líderes ruralistas de Santo Antônio do Matupi, que não se conformam com o andamento do processo. Eles querem mais celeridade e que o acusado de ter assassinado Nardélio Gomes vá a júri popular.

Faea defende lei
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), Muni Lourenço Silva Júnior, entende que tem que ser respeitado todo o procedimento jurídico legal, mas que a apuração e punição dos culpados ou culpado pela morte do líder Nardélio Gomes são fundamentais, mas tudo dentro da lei. “Nardélio era um líder respeitado pelo seu trabalho sério e temos que preservar sua memória”, destacou.

Histórico
A região Sul do Amazonas concentra a maior parte dos conflitos agrários do Estado. A migração de madeireiros e grileiros de terra fomenta a violência contra agricultores rurais. Outro foco de violência na região entra no Estado, mais precisamente no município de Lábrea, por vicinais saídas das comunidades de Nova Califórnia e Extrema, ambas localizadas no Estado de Rondônia.