Publicidade
Amazônia
AMEAÇA

Mudanças climáticas colocam o calango da Amazônia sob risco de extinção

Estudo do pesquisador Emerson Pontes da Silva, feito em mestrado do Inpa, foi publicado na revista científica Journal of Thermal Biology. 07/03/2018 às 07:27
Show kentropyx calcarata ribeir o cascalheira mt foto guarinocolli
(Foto: Guarino Colli / Divulgação)
Silane Souza Manaus

O Lagarto-da-mata ou Calango (Kentropyx calcarata), uma espécie típica da Amazônia, tem em média 48,4% de risco de extinção até 2050 e 72,8% até 2070 em razão das mudanças climáticas. O resultado faz parte de um estudo realizado pelo pesquisador Emerson Pontes da Silva durante o curso de mestrado em Ecologia, no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), e publicado recentemente na revista científica Journal of Thermal Biology.

De acordo com o pesquisador, para chegar neste resultado foram realizadas expedições de coleta para as florestas fechadas e úmidas nos estados do Amazonas, Pará e Amapá (Amazônia) e para as florestas abertas, mais quentes e secas, no estado do Tocantins, na transição Amazônia-Cerrado. Em cada localidade amostral foram registradas as temperaturas ambientais e realizados experimentos fisiológicos de laboratório com os lagartos. 

O objetivo era estimar quanto os indivíduos da espécie toleravam de calor e frio, quanto corriam em diferentes temperaturas corporais e também qual era a temperatura preferida individual para o funcionamento do corpo do animal. Os resultados mostraram que a resposta fisiológica dos indivíduos às mudanças climáticas variou muito entre a espécie. “Os que vivem em lugares mais quentes têm maior tolerância térmica e aguentam mais calor”, apontou. 

Assim, em alguns lugares a espécie de lagarto poderá sofrer redução populacional ou deixar de existir, enquanto em outros, ela ainda poderá persistir, mas tudo depende principalmente da manutenção do seu hábitat. “Esta espécie de lagarto, assim como tantas outras, precisa da floresta em pé. Com as mudanças climáticas e o aumento das taxas de desmatamento alarmantes que seguem na Amazônia, estes riscos de extinção estimados podem infelizmente tornarem-se extinções reais”, disse Silva.

Para a pesquisadora Fernanda Werneck, orientadora da pesquisa, este resultado desafia visões da literatura de que a biologia termal das espécies varia pouco intra-especificamente e abre portas para o entendimento de que as respostas adaptativas ou processos de extinção local podem variar substancialmente e geograficamente. “É interessante olhar pela perspectiva de que, eventualmente, se tem um potencial de recolonização, ou seja, se uma população ficou mais afetada e outra não, talvez ela possa recolonizar”, afirmou. 

O que preocupa, conforme Werneck, é a rapidez das mudanças climáticas. “O estudo levou em consideração o aumento de 2 a 3 graus na temperatura no período de 40 a 50 anos, mas as respostas dos organismos demoram gerações. Não estamos falando de décadas, mas de centenas de milhares de anos e até milhões de anos. Por isso, apesar de existir a chance de ter a resposta positiva, a velocidade com que as mudanças climáticas acontecem dificulta muito qualquer tipo de resposta por parte da biodiversidade”, ressaltou. 

Ações urgentes de preservação

Para o pesquisador Emerson Pontes da Silva, é necessário haver urgentemente políticas ambientais efetivas para que se assegure a preservação desta espécie de lagarto e de toda a biodiversidade. “Nossos resultados científicos esperam ajudar a prever as tendências da biodiversidade em relação às mudanças climáticas e apoiar estratégias de conservação”, afirmou. 
Ele apontou algumas situações que,  por não serem evitadas, contribuem para o aumento das mudanças climáticas. “Temos Terras Indígenas (TI) não demarcadas, que são invadidas e saqueadas; Unidades de Conservação (UCs), que só existem no papel. Isso é muito importante e se relaciona amplamente com a conservação da biodiversidade”, disse 
A pesquisadora Fernanda Werneck, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), disse que o principal objetivo é tentar apontar direções do que é importante para a fauna nativa em um ambiente megadiverso que é a Amazônia. “Pode ser que uma espécie pode ser extinta e outra não, pode ser que ela seja extinta numa região e outra não. Mas se a gente pode evitar por que não evita?”, questionou ela.

Publicidade
Publicidade