Publicidade
Amazônia
Cotidiano, Ibama, ICMBio, Batalhão Ambiental, Operação Mosaico, rio Negro, rio Jauaperi, rio Unini, rio Jaú, Novo Airão, Anavilhanas, Crimes Ambientais

Órgãos ambientais deflagram Operação Mosaico, no Amazonas

Mais de 600 tartarugas-da-Amazônia foram apreendidas pelo Ibama, ICMBio e Batalhão Ambiental, evitando que os animais fossem vendidas ilegalmente 30/10/2012 às 17:29
Show 1
Tartarugas da Amazônia foram resgatadas durante a operação que já rendeu mais de R$4,5 milhões de multas
acritica.com Manaus

A Operação Mosaico realizada em conjunto pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Batalhão de Policiamento Ambiental do Amazonas (BPAMB) está percorrendo alguns dos principais afluentes da calha do Rio Negro, nas duas últimas semanas e já obteve resultados significativos na repressão de crimes ambientais.

As equipes de fiscalização já percorreram trechos do rio Jauaperi, rio Unini, rio Jaú e rio Negro, realizando vistorias e apreensões em unidades de conservação como a Resex do Unini e a Estação Ecológica de Anavilhanas.

No rio Jauaperi a operação contou com o apoio dos índios waimiri-atroari, que ajudam na fiscalização da área. Foram apreendidas mais de uma tonelada de peixe ilegal, mais de 130 tartarugas que foram capturadas – evitando a venda das mesmas -, além de quatro barcos, várias canoas, armas de fogo, motores de popa, e dezenas de malhadeiras.

Nas proximidades do município de Novo Airão – a 115 quilômetros de Manaus -, na área do arquipélago de Anavilhanas, foram apreendidas mais de 600 tartarugas-da-Amazônia, além de centenas de ovos de tartaruga.

Tudo estava em poder de traficantes, os chamados “tartarugueiros”, que capturam esses animais e vendem para intermediários e diretamente em feiras de Manaus e Manacapuru.

Nessa época do ano, a pressão de caça sobre esses animais aumenta, por ser época de desova, fica mais fácil capturar esses animais, que aproveitam as praias que se formam para desovar.

Os caçadores também utilizam malhadeiras e espinhéis para capturar esses animais que são muito apreciados pelos moradores locais como alimentação.

Em Manaus e Manacapuru existem locais que vendem tartarugas criadas em cativeiro, de forma legalizada, mas parte da população ainda insiste em comprar animais vindos da natureza.

Vários autos de infração já foram lavrados e o valor das multas aplicadas já supera os R$ 4,5 milhões.