Publicidade
Amazônia
Amazônia

Pesquisa desenvolve biocombustível a partir de espécies vegetais da Amazônia

Projeto estudou o potencial de espécies amazônicas para a produção de novos combustíveis de origem vegetal, menos poluentes 14/03/2012 às 13:45
Show 1
O pinhão manso foi a espécie pesquisada que apresentou melhor desempenho para obtenção de biocombustível
acritica.com ---

Obter biocombustível a partir de espécies vegetais do bioma amazônico e utilizar essa fonte de energia ‘limpa’ para fornecer energia elétrica para comunidades isoladas da Amazônia.

Esse é o objetivo de um projeto que está sendo coordenado pela professora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Cristiane Daliassi, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O projeto ‘Estudo e caracterização de espécies oleaginosas do Estado do Amazonas para produção de biodiesel’ estudou o potencial de espécies amazônicas para a produção de novos combustíveis de origem vegetal, menos poluentes.

O estudo foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa Integrado de Pesquisa e Inovação Tecnológica (Pipt).

A pesquisa

De acordo com a coordenadora do projeto, o primeiro passo foi realizar um levantamento das espécies oleaginosas do Amazonas, juntamente com o Inpa e a Embrapa. A partir da escolha das espécies a serem pesquisadas, as plantas foram levadas para o Laboratório de Pesquisa e Ensaio de Combustíveis (Lapec), para a extração do óleo, contou Daliassi.

“Utilizamos o pinhão manso, presente na região de Itacoatiara, o óleo de maracujá, extraído das sementes da fruta, também o babaçu, muito comum em Autazes (interior do Amazonas), além do óleo de virola e piramium”, relatou a pesquisadora.

Os frutos ainda passaram por um estudo do seu poder calorífico antes de serem submetidos a dois tipos de processos químicos: o craqueamento – que consiste na quebra das moléculas, usando uma fonte de aquecimento – e a transesterificação, onde a quebra das moléculas ocorre por meio da mistura do óleo com álcool.

“No caso dos óleos vegetais, nossa intenção com o craqueamento é obter hidrocarbonetos com propriedades semelhantes à gasolina. Já no processo de transesterificação, misturamos o óleo ao álcool utilizando catalisadores para obter uma molécula menor, com características mais próximas do diesel, que pode ser utilizada como um combustível mais limpo”, explicou.

Segundo a pesquisadora, entre as espécies amazônicas pesquisadas, o pião manso foi a que se mostrou mais promissora em ambos processos químicos.

“Por conta disso, ela já está sendo alvo de estudos no Brasil inteiro. Na nossa região também é uma espécie muito promissora, principalmente para viabilizar ou aumentar o abastecimento energético de populações isoladas”, analisou.