Publicidade
Amazônia
Amazônia

Polícia Federal encontra carro que pode ser de homens desaparecidos em Humaitá (AM)

A Polícia Federal (PF) emitiu uma nota na tarde de hoje informando ter encontrado “um lugar de interesse pericial”, onde estava o veículo 03/01/2014 às 23:34
Show 1
Trabalho dos militares que buscam pistas de desaparecidos
Adriano Silva Manaus (AM)

Homens da Força Tarefa encontraram no final da tarde desta sexta-feira (3) sinais de um veículo queimado que pode ser o mesmo utilizado pelos homens desaparecidos há 20 dias na reserva indígena Tenharim Marmelo, região de Humaitá, - o professor Steff Pinheiro de Souza, pelo representante comercial Luciano Ferreira Freire e pelo funcionário da Eletrobrás Amazonas Energia Aldeney Ribeiro Salvador. Eles estão desaparecidos desde o dia 16 de dezembro, quando trafegavam em uma carro de cor preta, nas proximidades do quilômetro 130 da Transamazônica (BR-230), dentro da reserva indígena, entre os municípios de Humaitá e Manicoré.

A Polícia Federal (PF) emitiu uma nota na tarde de hoje (3) informando ter encontrado “um lugar de interesse pericial”, onde estava o veículo. 

A PF informou também que peritos criminais foram enviados ao local com a finalidade de realizar exames pertinentes à investigação.

Mobilização

Às 16h desta sexta, funcionários da Eletrobras Amazonas Energia promoveram um mobilização em frente à sede 2 da concessionária (avenida 7 de Setembro, Centro de Manaus). Para os familiares, a falta de informação e os boatos que surgem diariamente, causam danos emocionais e deixam todos apreensivos. 

“Eu creio que vou encontrar meu filho vivo, mas precisamos pedir que as autoridades se dediquem mais nas buscas e nos informem de tudo o que está acontecendo”. O pedido foi feito na tarde de ontem pelo pai de Aldeney, o aposentado Adelino Pacífico Salvador, 72, que participou da mobilização feita por aproximadamente 50 funcionários da Eletrobrás Amazonas Energia e organizada pelo Sindicato dos Urbanitários do Amazonas.

Adelino reclamou da demora para iniciar as buscas e disse ainda ter forças para procurar o filho.

Durante a mobilização, os trabalhadores seguiram caminhando e em veículos, até a sede 1 da empresa, localizada na avenida 7 de Setembro, bairro Cachoeirinha.

Estava prevista a participação de 500 funcionários, mas ao final cerca de 50 pessoas compareceram ao protesto. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Urbanitários do Amazonas, a dispersão se deu porque a concessionária não liberou os seus funcionários para participarem do ato.